O fragmento glagolítico de Krtíš

Descrição

Este fragmento de manuscrito contém parte de uma explicação a um evangelho desconhecido. Ele já esteve encadernado juntamente a uma cópia glagolítica do livro manuscrito Historia Scholastica, de Pedro Comestor. O texto do fragmento foi escrito na caligrafia angular glagolítica inventada durante o século IX por São Cirilo e São Metódio, para traduzir a Bíblia e outras obras eclesiásticas para a língua da região da Grande Morávia. Por volta de 1633, o fólio foi usado para preencher a encadernação da tradução tcheca de Pastorale Lutheri (A pastoral de Lutero), de Conrad Porta. Ele foi descoberto por Samuel Zoch (1882 a 1928) na biblioteca pessoal da família Kálmár, na vila de Veľký Krtíš, no sul da Eslováquia. O irmão de Samuel Zoch, Ivan Branislav Zoch, deu o texto ao Professor Vatroslav Jagič (1838 a 1923), um dos fundadores do campo de estudos da linguística croata. Jagič provou a autenticidade do pergaminho e levantou a hipótese de que ele tivesse sido trazido ao território histórico da Eslováquia por tchecos que passaram a viver no exílio após a Batalha da Montanha Branca (1620). Em 1930, o Professor František Ryšánek (1877 a 1969) anunciou que o manuscrito podia ser datado da virada do século XV, indicando o Monastério Emaús, em Praga (o monastério dos Beneditinos Croatas, em Slovany), como seu lugar de origem.

Última Atualização: 18 de agosto de 2014