Concessão de território indígena pelos índios creeks do norte e do sul e pelos índios seminoles ao coronel Thomas Brown, superintendente de assuntos indígenas do Distrito Sul da América do Norte

Descrição

Este documento é um anexo enviado originalmente por Henry Lee IV ao juiz territorial da Flórida, Augustus Brevoort Woodward, em setembro de 1824. Lee procurou ajuda de Woodward para garantir a reivindicação de uma propriedade adquirida por seu pai, general Henry Lee, de Thomas Brown, em 1817. Em 1 de março de 1783, vários “reis e guerreiros” representando cidades dos creeks do norte, creeks do sul e seminoles colocaram seus nomes e marcas de família em um documento que concedia a Thomas Brown, superintendente britânico de assuntos indígenas, um grande território a oeste de Santo Agostinho, no que então passou a ser a Flórida Britânica do Leste. Brown tinha vindo da Inglaterra para a América do Norte em 1774 para estabelecer uma fazenda no interior da Geórgia. Ele permaneceu leal ao governo britânico durante a Guerra da Revolução Americana e liderou uma patrulha montada, conhecida como Guardas-florestais do rei, em ataques contra os americanos ao longo da fronteira do sul. Brown ganhou o apoio e a assistência de vários líderes indígenas creeks e seminoles, que forneceram guerreiros para lutar contra seu inimigo comum, os americanos. Como troca, Brown mantinha suas cidades bem armadas e supridas. À medida que a guerra chegava ao fim em 1783, Brown e seus homens recuavam para a Flórida. Em algum momento antes de 1 de março, uma delegação que representavam cidades creeks e seminoles visitaram Santo Agostinho e se reuniram com Brown e outros oficiais britânicos. A concessão de terras inclusa aqui é resultado dessa reunião. Por conduzi-los para a batalha contra os americanos, a delegação indígena honrou seu “pai e amigo” com uma concessão de terra que se estende do Rio Amajura, agora conhecido como Withlacoochee, ao Rio Saint Johns. Este documento é uma cópia do original feita em 20 de junho de 1820, enquanto Brown morava em São Vicente, no Caribe. Esse documento contém ilustrações raras de símbolos de clãs indígenas do sudeste. Muitos americanos nativos do sudeste praticavam uma forma de organização social baseada em clãs matrilineares, onde traçavam suas linhagens com as famílias de suas mães e nasciam no mesmo clã que suas mães. Os símbolos que aparecem nesse documento representam vários clãs diferentes. É possível identificar alguns por sua semelhança com animais conhecidos, como jacaré e pássaro, enquanto outros não. Os nomes dos clãs se referiam a ancestrais míticos e geralmente tomavam forma de animais, plantas ou forças da natureza. Na época em que esse documento foi criado, dezenas de clãs existiam entre os creeks e os seminoles. O documento também apresenta títulos pertencentes a homens de liderança de cidades creeks e seminoles. Homens de alta patente portavam um título diplomático ou de guerra e se identificavam com uma cidade. Por exemplo: Tallassee Mico era um Mico, ou líder, da cidade de Tallassee.

Data de Criação

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

A Grant of Indian Territory from the Upper Creek Indians as also the Lower Creeks and Seminoles to Colonel Thomas Brown Superintendent of Indian Affairs for the Southern District of North America

Tipo de Item

Descrição Física

1 página

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 17 de outubro de 2014