O método mais sincero de distinguir os ibaditas dos caridjitas e o presente do céu sobre o julgamento do derramamento de sangue

Descrição

Sālim ibn Ḥammūd ibn Shāmis al-Siyābī (de 1908 a 1993) foi um estudioso, poeta, historiador e juiz omaniano nascido em Ghāla, no estado de Bawshār, no leste de Omã. Estudante autodidata, al-Siyābī memorizou o Alcorão aos sete anos e passou a estudar os clássicos da língua árabe, incluindo o Alfiyah de Ibn Malik, um poema de 1.000 versos sobre as regras da gramática árabe. Al-Siyābī também foi um escritor prolífico e autor de 84 obras, de acordo com Sultān ibn Mubārak al-Shaybānī, quem categorizou o acervo das obras de al-Siyābī em prosa e tratados, poesia e escritos versificados, e pesquisa e correspondência. Este manuscrito foi copiado por Yūsuf ibn Sāʿid al-Zakwānī em 1386 A.H. (1966). Ele foi feito com tinta preta com rubricas apenas nos títulos, e o manuscrito é composto por duas obras de al-Siyābī. A primeira parte é um tratado que defende o ibadismo contra a difamação de outros estudiosos muçulmanos, e a segunda parte, intitulada wahb al-samā fī aḥkām al-dimā (O presente do céu sobre o julgamento do derramamento de sangue), apresenta-se principalmente em verso e trata da jurisprudência das lesões corporais. Essa parte é dividida em grupos de poucos versos, cada um informando o julgamento referente à lesão de uma parte específica do corpo. Na primeira obra, Aṣdaq almanāhij fī tamyīz al-ibāḍiyya min al-khawārij (O método mais sincero de distinguir os ibaditas dos caridjitas), al-Siyābī lamenta os preconceitos que outros estudiosos têm contra o ibaditas, argumentando no formato de perguntas e respostas que os ibaditas são sunitas, não caridjitas. Ele afirma na introdução que escreveu o tratado depois de ler “centenas de livros da doutrina muçulmana”, em que “alguns dos estudiosos ... estão indignados ... porque sustentam a opinião de que [os ibaditas] mataram ‘Alī depois de ter matado ‘Uthmān”. A referência aqui é ao quarto e ao terceiro califa do islã, cujos reinados (de 644 a 661) marcaram a divisão da comunidade muçulmana entre sunitas e xiitas. Os khawārij, ou caridjitas, eram historicamente seguidores de ‘Alī, mas o declararam incapaz de ser um califa porque acreditaram que ‘Alī havia comprometido sua legitimidade ao concordar com a arbitragem durante o conflito que o colocou contra Mu'āwiyah, defensor de ʻUthmān. Rebelando-se contra os dois grupos de muçulmanos e, mais tarde, declarando o regulamento da maioria muçulmana ilegítimo, esses rebeldes passaram a ser conhecidos como khawārij, ou “os perigosos”. Uma dissidência posterior dentro dos caridjitas sobre quais meios usar para promover uma mudança política legítima resultou no surgimento dos ibaditas.  Os atuais adeptos do ibadismo são encontrados principalmente em Omã, além de outras comunidades nas regiões norte e leste da África.

Data de Criação

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

أصدق المناهج في تمييز الإباضية من الخوارج، ويليه وهب السما في أحكام الدما

Tipo de Item

Descrição Física

72 páginas; 22 centímetros

Referências

  1. Fahd ibn ʻAlī ibn Hāshil Saʻdī, Muʻjam al-fuqahā wa-al-mutakallimīn al-Ibāḍīyah, qism al-mashriq: min al-qarn al-awwal al-Hijrī ilá bidāyat al-qarn al-khāmis ʻasharal-Hijrī (Masqaṭ: Maktabat al-Jīl al-Wāʻid, 2007).

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 11 de maio de 2015