A arte da língua quíchua

Descrição

Arte de la lengua quichua (A arte da língua quíchua) foi publicado em Lima, Peru, em 1619. O autor do livro é Diego de Torres Rubio (1547 a 1638), um padre jesuíta espanhol que chegou ao Peru em 1579, onde se dedicou ao estudo das línguas indígenas, especialmente aimará e quíchua. A primeira máquina de impressão na América do Sul foi criada em Lima por Antonio Ricardo (entre 1540 e 1606, aproximadamente), um italiano que trabalhou por pouco tempo como tipógrafo ao lado dos jesuítas na Cidade do México. Produzido na máquina de impressão entre 1584 e 1619, esse livro faz parte de uma coleção com as 39 primeiras edições na Biblioteca Nacional do Peru. Em 2013 a coleção foi registrada no Programa Memória do Mundo da UNESCO. Em latim, espanhol e diversas línguas ameríndias, esses livros apresentam uma parte importante do registro que retrata o encontro entre dois mundos: a civilização ameríndia dos Incas e a cultura europeia representada pelos conquistadores espanhóis. São consideráveis fontes para o estudo da dispersão de ideias no Império Espanhol, como o processo de evangelização e a propagação do catolicismo por um lado e o debate sobre os povos indígenas e sua condição como seres humanos por outro. Vários desses livros revelam informações sobre a organização política, cultural e social da derrotada civilização inca, bem como um registro das línguas quíchua e aimará, faladas por esse povo.

Data de Criação

Data do Assunto

Informação da Publicação

Francisco Lasso, Lima, Peru

Título no Idioma Original

Arte de la lengva qvichva

Tipo de Item

Descrição Física

15 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 24 de maio de 2017