Dīvān-i da corrente de ouro

Descrição

Dīvān-i Silsilah va al-Ẕahab (literalmente, O livro de coleção da corrente de ouro) é uma obra da literatura persa em versos. Ela compõe o primeiro volume de uma coleção literária de sete volumes de Mowlana Noor al-Din Abd al-Rahman Jami (1414 a 1492), o célebre estudioso, poeta e sufista persa. A coleção inteira é conhecida como awrang Haft (Os sete tronos) e foi um das primeiras grandes obras de Jami. O primeiro volume é o mais longo, composto em algum momento entre 1468 e 1486. Esta cópia do manuscrito parece incompleta, pois a narrativa final dos versos sobre estudiosos e perfeccionistas termina de forma inesperada e com pouca fluidez. Esta cópia tem mais de 100 páginas ordenadas em numerais indo-arábicos. Cada narrativa em verso tem subtítulos rubricados em azul, cinza e vermelho. Esta cópia não possui notas de prefácio e de epílogo, dificultando a determinação do local, da data e do colaborador da publicação. Uma linha escrita à mão com tinta preta na primeira página em branco diz “Silsilah-i zahab, 28 Rabi Al-Awwal, 1246”, sendo o título e a data islâmicos (16 de setembro de 1830), possivelmente a data de publicação. Entretanto, um dos três selos na mesma página fornece o ano islâmico como 1210 (1795 a 1796); assim, a data correta para este manuscrito é incerta. O nome do autor, Mowlana Abdur Rahman Jami, aparece na segunda página. O Sililah Dīvān-i completo tem três seções; a primeira aborda temas éticos e didáticos e inclui anedotas curtas e críticas da sociedade contemporânea. A segunda seção tem uma estrutura semelhante e lida com o amor carnal e o amor espiritual. A terceira seção é a conclusão. Esta cópia é estruturada em torno de temas religiosos e éticos e várias histórias heroicas e sentenciosas. Várias narrativas, como, por exemplo, os primeiros versos, são em louvor a Deus, à sua divindade e supremacia. A página seis elogia o profeta Maomé. Os versos na página 11 tratam da retidão e justiça. As histórias éticas incluem uma de um rei e de seu filho nas páginas 28 a 31, ou talvez uma sessão de perguntas e respostas de um rei e um escravo; na página 39, a história de um professor e de seu aluno; e, nas páginas 90 a 91, a história de um rapaz da aldeia que desiste da ideia de vender seu velho burro depois de ficar sabendo que o comerciante queria vendê-lo como um burro jovem no mercado. Jami tinha ligações diretas com a corte timúrida e seus governantes em Herat e na região do Coração, particularmente na corte do sultão Husayn Baiqara. Muitas obras de Jami em poesia e prosa incluem comentários interpretativos e religiosos, poesia persa de diferentes gêneros, tratados místicos, trabalhos sobre a gramática árabe e elegias. Ele foi influenciado por discursos místicos sufistas, particularmente da ordem naqshbandi, e por autores clássicos literários persas anteriores, incluindo Sadi e Sanai Nizami. Os estudiosos consideram o trabalho de Jami como representativo de uma passagem da era clássica para a neoclássica na literatura persa e consideram Jami como um dos últimos grandes poetas persas tradicionais.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016