História de Nadir Shah

Descrição

Tārīkh-i Nādirī (História de Nadir) é uma obra histórica que narra a carreira política e militar de Nadir Shah, que nasceu em 1688 e subiu ao poder no Irã durante a década de 1720, tornando-se xá em 1736. (Essa obra também é conhecida como Jahāngushāy-i Nādirī, em referência à célebre história de Genghis Khan, a quem Nadir Shah admirava.) Nadir Shah também é conhecido como um guerreiro militar, famoso por suas operações no Irã, no Afeganistão, na Índia do Norte e na Ásia Central. Foi assassinado por seus oficiais em junho de 1747. O nome do autor dessa obra, Muhammad Mahdi Munshi’ ibn Muhammad Nasir (conhecido também como Mahdi Khan Astarabadi), aparece na página quatro. Mahdi Khan era secretário da corte, historiador e confidente de Nadir Shah, a quem seguiu em muitas das operações militares; por isso a obra é uma importante fonte histórica. O manuscrito está organizado em ordem cronológica e relata cerca de 100 eventos políticos e militares. Nas primeiras páginas há um prefácio descrevendo os progressos políticos no Irã e no Candaar (ou Candar) que resultaram na invasão afegã na Pérsia, em 1722, e na chegada de Nadir Shah como o governante que iria enfrentar e derrotar os afegãos e outros inimigos. O manuscrito está incompleto, sendo que o escriba deixou orações pela metade após completar várias linhas da penúltima seção da obra, “No final do [Nadir Shah] e a forma de seu assassinato...”. Praticamente, toda essa penúltima seção (que narra os cruéis e sangrentos anos finais do reinado de Nadir) e a seção final (no governo de ʻAli Quli Khan e Ibrahim Khan, sobrinhos de Nadir, que reivindicaram individualmente o trono por um breve período após o assassinato de seu tio) estão, portanto, ausentes do manuscrito. As partes ausentes correspondem aproximadamente a seis páginas de texto. Como característica da historiografia da corte persa, ao longo da obra o autor enfatiza a restauração da ordem, a introdução da justiça e a derrota dos inimigos do Estado. Ao longo do texto aparecem vários poemas e versos do Alcorão, e a escrita do manuscrito está em diferentes estilos de nastaliq uniforme, a escrita de caligrafia persa. Todos os eventos narrados apresentam um título rubricado. A primeira palavra a cada duas páginas é repetida como uma “chamada” na margem inferior da página anterior para garantir a ordem correta das páginas antes da encadernação, prática que era comum na Pérsia e em outros lugares.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016