Irã e Afeganistão

Descrição

Publicado em 1941, durante o início da Segunda Guerra Mundial, este mapa japonês do Irã e do Afeganistão tem como base um mapa divulgado no ano anterior pela Administração Principal de Geodésia e Cartografia da União Soviética. Diferentemente dos britânicos e dos russos, os japoneses não tinham experiência local ou conhecimentos abrangentes sobre essa parte da Ásia; dessa forma, isso virou um interesse estratégico importante para eles durante a guerra. As potências do Eixo — Alemanha, Japão e Itália — acreditavam que, em última instância, a vitória exigiria que obtivessem controle sobre o Oceano Índico e sobre todo o continente asiático. No dia 15 de dezembro de 1941, uma semana após o ataque a Pearl Harbor, os japoneses entregaram aos alemães o esboço de uma convenção militar que dividia o mundo em esferas de operações militares aos 70 graus de longitude. O Japão seria responsável pelo território a leste da linha; a Alemanha e a Itália, pelo território a oeste. A linha dos 70 graus separava o território da União Soviética a leste dos Urais e atravessava o Afeganistão um pouco a leste de Cabul. Os alemães supostamente não gostaram do projeto, já que ele cruzava territórios que, como o Afeganistão, constituíam unidades orgânicas. A Alemanha teria preferido uma linha que passasse sobre a fronteira oriental do Irã e continuasse para o norte seguindo a fronteira setentrional do Afeganistão antes de chegar de seguir ao norte pela Rússia para chegar ao Ártico. A convenção militar assinada por Alemanha, Itália e Japão em 18 de janeiro de 1942 adotava, em sua maioria, a linha proposta pelo Japão. No final, essas discussões se mostraram puramente teóricas, já que a Alemanha e a Itália foram derrotadas no Ocidente e o Japão no Oriente, muito antes de poderem implementar seus planos para a Sibéria, as regiões central e sul da Ásia, e o Oceano Índico.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016