Peregrinação à Caaba e à Charing Cross

Descrição

Hafiz Ahmed Hassan foi um indiano muçulmano, tesoureiro e conselheiro do nababo de Tonk, Muhammad ‘Ali Khan (falecido em 1895). Tonk era um principado no noroeste da Índia, e hoje faz parte do estado de Rajastão. Quando o nababo foi deposto, em 1867, o autor o acompanhou no exílio, indo primeiro a Benares e depois, em 1870, para as cidades santas muçulmanas em peregrinação. Depois de completar o hajj, Hafiz seguiu para a Inglaterra, onde passou pouco tempo antes de retornar para a Índia. O foco do livro é a sua viagem para a Arábia no hajj, com descrição de seus rituais. É um valioso registro em inglês das condições e práticas de seu tempo. Ele descreve o porto de Jidá, os edifícios e arredores de Meca e Medina, e seus companheiros de peregrinação, e fornece descrições vívidas de autoridades fiscais exploradoras e do tratamento brutal dos beduínos em sua jornada. O livro é uma importante obra de acompanhamento para os clássicos relatos das cidades santas escritos em inglês por C. Snouck Hurgronje e Richard Burton. Além de seus capítulos árabes, a obra detalha as acusações injustas contra o nababo, que acabaram o afastando do trono. O autor conclui com um capítulo sobre a Inglaterra e os ingleses em que, entre outros temas, contrasta o rigor do sistema judicial britânico interno com a justiça sumária usada para assuntos indianos, muitas vezes dependente dos caprichos de inexperientes administradores britânicos. O livro foi publicado em Londres por W. H. Allen, principal editor de obras sobre a Índia.

Última Atualização: 10 de abril de 2015