Retrato e esboço de Alessandro Guerra

Descrição

Este retrato de Alessandro Guerra (1790 a 1862) foi feito por Vincent (também chamado Vincenzo) Gozzini e gravado por Giovanni Paolo Lasinio por volta de 1830, período em que Guerra (chamado “o furioso” por seu audacioso estilo de acrobacia sobre cavalos) estava no auge de seu sucesso performático. O dístico rimado na parte inferior da ilustração faz referência às habilidades de Guerra e à sua fama mundial. Rival direto do famoso acrobata equestre inglês Andrew Ducrow, Guerra foi um dos mais importantes artistas de circo do início e metade do século XIX, sendo a atração principal de vários circos na Europa. Ele praticava, sobre cavalos a galope, exercícios de equilíbrio, malabarismo com espadas e bandeiras, cantava e tocava flauta, violino e violão e, ainda, saltava através de argolas usando trajes romanos antigos, conforme mostrado nesta gravura. Após o sucesso precoce em seu país natal, a Itália, Guerra se mudou para a Alemanha, para fazer parte do Circus Gymnasticus de Christoph de Bach, onde se tornou a principal atração. Por volta de 1820, casou-se com a filha de Bach. Em 1826, ele e o funambulista Gabriele Ravel fundaram sua própria companhia, o Circo Romano. Guerra tornou-se o protótipo do diretor italiano de companhias circenses equestres, contratando os melhores artistas e se mostrando sempre pronto a conquistar novos mercados. Na Itália e na Alemanha, ele realizou várias turnês, contratando os melhores artistas do período; na Escandinávia, construiu um circo permanente de madeira em Estocolmo; na Rússia, fundou o Cirque Olympique de São Petersburgo, que atendia um público de classe alta. A fase final de sua carreira ocorreu em 1853, no Circo Sales, de Turim, onde seu espetáculo encantou plateias por mais de um mês. Cansado e doente, ele encerrou suas atividades em Bordéus, em 1855, após ser forçado a vender seus melhores cavalos ao famoso diretor circense Louis Dejean. Durante muito tempo, os historiadores acreditaram que Guerra havia morrido na Espanha, em 1856; recentemente, no entanto, seu túmulo foi descoberto em Certosa di Bologna, Itália, o que evidenciou que ele veio a falecer naquela cidade, no dia 5 de julho de 1862.

Última Atualização: 5 de março de 2014