Timor Português

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Timor Português é o Número 80 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O Timor-Leste, que ocupa a parte oriental da ilha do Timor, ficou sob controle português no século XVI e desempenhou um papel importante no comércio de especiarias. Os holandeses estabeleceram uma colônia na parte ocidental do Timor em 1618. Portugal e Holanda disputaram o controle da ilha até o fim do século XVIII, quando os portugueses finalmente aceitaram a presença holandesa. A fronteira entre as partes holandesas e portuguesas da ilha foi demarcada em 1914; atual fronteira entre a Indonésia (ex-Índias Orientais Holandesas) e Timor-Leste. O livro trata de geografia política e física, história política, condições sociais e políticas, e condições econômicas. A população estimada era de 377.815 em 1915 com Tetum como principal grupo linguístico. A economia do Timor-Leste era principalmente a agricultura, com poucas grandes plantações que coexistiam com muitas lavouras de subsistência da população nativa. O principal produto de exportação era o café. O estudo descreve o potencial da agricultura da colônia, baseada na qualidade do café e nas perspectivas de aumento da cultura de cacau e algodão, mas prevê que, como no desenvolvimento anterior, isso seria atravancado pela escassez de trabalho e de capital. O Timor do Leste tornou-se formalmente independente como Timor-Leste em 20 de maio de 2002, após uma longa disputa com a Indonésia pela soberania e de um período administrado pelas Nações Unidas.

Última Atualização: 11 de setembro de 2017