Indochina Francesa

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Indochina Francesa é o Número 78 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Indochina Francesa era formada pela colônia da Cochinchina (no extremo sul do atual Vietnã), pelos protetorados de Tongking (i.e., Tonkin, ou a parte norte do Vietnã), por Annam (parte central e sul do Vietnã exceto pela área ocupada pela Cochinchina), pelo Camboja, partes do atual Laos e pelo território arrendado chinês de Kwang-chow-wan (Guangzhouwan). O livro trata de geografia política e física, história política, condições sociais e políticas, e condições econômicas. A seção sobre geografia registra a importância de dois rios principais, Vermelho e Mekong, além do extenso litoral. A população estimada era de 16,6 milhões, dos quais cerca de 80% constituídos de anameses, (ou seja, vietnamitas), e o restante por cambojanos, chineses, tailandeses (ou Tay), e membros de outros grupos menores. A seção histórica faz uma breve referência aos antigos reinos do Khmer e de Annam, mas se concentra principalmente no século XIX, quando os franceses adentraram a região e competiram com a China e o Sião (atual Tailândia) por influência. A economia da Indochina Francesa baseava-se principalmente na agricultura e o arroz era seu principal produto de exportação. O estudo registra que os “nativos da Indochina aceitaram o governo francês com aparente tranquilidade, embora de vez em quando ocorram distúrbios em Annam e Tongking, em que se denota que o descontentamento e a instabilidade social estão latentes”.

Última Atualização: 11 de setembro de 2017