África Ocidental Francesa

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. África Ocidental Francesa é o Número 100 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O estudo abrange o governo-geral da África Ocidental, formado em 1895 e reconstituído por um decreto presidencial francês em 1 de outubro de 1902. Também faziam parte do território as colônias de Senegal, Guiné Francesa (atual Guiné), Costa do Marfim, e Daomé (atual Benin), e os territórios de Senegâmbia e Níger (atual Níger, Mali e Burkina Faso). Em outubro de 1904, o território de Mauritânia também ficou sob a administração do governo-geral da África Ocidental. O livro inclui seções sobre história política e condições sociais e políticas na África Ocidental Francesa. Ele dedica especial atenção à forte posição do islã na maioria dos territórios do governo-geral. Economia e alguns outros temas relativos a esses territórios são abordados em estudos separados da série, incluindo o número 103, Guiné Francesa; número 104, Costa do Marfim; número 105, Daomé; número 106, Mauritânia; e número 107, Alto Senegal e Níger. O apêndice inclui os textos dos acordos entre França e Portugal, Alemanha, Grã-Bretanha, Espanha, delimitando fronteiras entre as colônias francesas e as colônias dessas potências europeias; A obra também apresenta o texto de um acordo de 1907 que delimita a fronteira entre a África Ocidental Francesa e o Estado independente da Libéria.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017