Quênia, Uganda e Zanzibar

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Quênia, Uganda e Zanzibar é o Número 96 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Conforme explicado numa nota editorial, em 1920 o protetorado da África Oriental Britânica se tornou uma colônia e seu nome foi alterado para Quênia. Ao contrário da capa e da página de título, o texto não foi atualizado e ainda se refere ao protetorado. O livro contém seções sobre geografia política e física, história política, condições sociais e políticas, além de condições econômicas. A discussão histórica abrange a rivalidade entre Grã-Bretanha e Alemanha no século XIX pelo controle de territórios na África Oriental reivindicados pelo sultão de Zanzibar. O acordo anglo-alemão de 1886 concedeu ao sultão apenas a ilha de Zanzibar e uma estreita faixa de terra no continente. O vasto território foi dividido entre os interesses comerciais britânicos e alemães e, mais tarde, a parte sul se tornou África Oriental Alemã e a norte África Oriental Britânica. Em 1890, a própria ilha de Zanzibar (parte da atual Tanzânia) se tornou um protetorado britânico, que como troca a Alemanha adquiriu a ilha do Mar do Norte de Helgoland. A seção sobre as condições econômicas discute as perspectivas de desenvolvimento econômico e o investimento rentável no Quênia e na Uganda, com foco em três fatores: produtos úteis, cuja seção concluiu que existiam “em abundância”; mão de obra, cuja seção concluiu que existia “em suficiência mínima”; e instalações de transporte, consideradas “inadequadas para o progresso”. O apêndice inclui tabelas de estatísticas econômicas e extratos dos acordos anglo-alemães referentes a esses territórios.

Última Atualização: 11 de setembro de 2017