Alto Senegal e Níger

Descrição

Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Alto Senegal e Níger é o Número 107 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O Alto Senegal e Níger era uma colônia francesa, criada em 1904 como parte do governo-geral da África Ocidental, que, com o Território Militar adjacente do Níger, compreendia os territórios dos atuais Estados do Níger, Mali e Burkina Faso. Este estudo aborda tanto a colônia como o território militar. O livro inclui seções sobre geografia política e física, história política, condições sociais e políticas e condições econômicas. Salienta-se a importância do rio Níger, que “atravessa a colônia no grande arco da Curva do Níger, no sentido norte-leste para Timbuktu, e daí para baixo, para o povo nigeriano”. Com uma breve descrição dos diferentes povos que vivem nessa região pouco povoada, incluindo os tuaregues, mouros, e songais (Songhai). Estes últimos são descritos como “um grande povo histórico”, que “antigamente foram os governantes de um vasto império negro que incluiu todo o Saara”. O estudo relata a rivalidade entre a Grã-Bretanha e a França pelo controle do território, os assentamentos fronteiriços com colônias britânicas adjacentes surgidos entre 1898 e 1899 e a demarcação da fronteira com a colônia alemã vizinha de Togolândia. A seção econômica descreve a construção de estradas e ferrovias pelos franceses e o funcionamento da economia agrícola. Observa-se que em 1914 “havia, somente no Alto Senegal e Níger, 2.000.000 de bovinos e 3.000.000 de ovinos e caprinos”.

Última Atualização: 11 de setembro de 2017