Coleção poética de Tarzi

Descrição

Divan-i Ṭarzī (Coleção poética de Tarzi) contém versos de Ghulām Muḥammad Ṭarzī (de 1830 a 1900), em sua maioria sobre piedade, ética, política e a sociedade no século XIX no Afeganistão. Tarzi veio de um passado distinto, pertencendo à sublinhagem mohammadzai dos Durranis, uma das duas principais linhagens pachtuns afegãs; Ghilzai é a outra. Devido às suas ligações com Muḥammad Yaʻqūb Khān, Tarzi e sua família foram exilados do Afeganistão de 1882 a 1883 por Abd al-Raḥmān Khān, parente de Yaʻqūb Khān e concorrente ao trono afegão. O sentimento de desolação provocado pelo exílio de Tarzi permeia muitos dos poemas. Cada poema possui tema, significado e lugar específicos. Como exemplo, um dos poemas enaltece o verso de Mirza ʻAbd al-Qādir Bīdil, famoso poeta persa e sufi que foi importante no desenvolvimento da poesia persa com “estilo indiano” no final do séc. XVII e início do séc. XVIII. Em outro poema, Tarzi elogia o casamento de Muḥammad Yaʻqūb Khān, que em 1879 foi por pouco tempo emir do Afeganistão, após assinar o Tratado de Gandamak, que reconhecia o controle britânico das relações externas do Afeganistão. Cada poema tem um título rubricado que indica onde foi escrito e sua finalidade. Na página 336, por exemplo, afirma-se que “este gazel foi escrito em Kandahar em resposta a Neamat Khan”. Alguns poemas aparecem sem título, mas cada um se distingue por sua conclusão com tarzi (estilista), pseudônimo do autor. O volume não tem título, mas nomes e selos de bibliotecas pessoais de vários proprietários e leitores, incluindo o de Abdul Rauf Khan Tarzi, um descendente do autor, aparecem na capa e nas últimas páginas. O livro se divide em duas seções: a principal com versos ghazal (lírico); e as últimas 50 páginas em formato rubai (quarteto). A escrita inclui várias versões de nastaliq persa, como o nastaliq de estilo claro, quebrado e inquieto. O papel é de qualidades e cores diferentes; a maioria dos textos aparece em papel creme liso sobre um suporte de mármore. As páginas apresentam numerais persa-árabes escritos a lápis por um leitor e as anotações nas margens podem ser do autor ou de leitores anônimos. O texto final é uma composição em prosa, onde Tarzi enfatiza sua virtude, tristeza e lealdade.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016