Reinos dos sucessores de Alexandre: após a Batalha de Ipsus, 301 a.C.

Descrição

Alexandre, o Grande (356 a.C. a 323 a.C.) morreu subitamente aos 32 anos de idade, sem deixar qualquer herdeiro aparente ou sucessor indicado. Cerca de 40 anos de conflitos intermitentes ocorreram após sua morte entre os generais de destaque e membros da família de Alexandre, que disputavam o controle de diferentes partes do vasto império que ele havia construído. A Batalha de Ipsus, travada na Frígia, Ásia Menor (atual Turquia), em 301 a.C. entre os sucessores rivais, resultou na dissolução irrevogável do império. Este mapa do final do século XIX em latim mostra os quatro principais reinos que surgiram após a batalha. O reino de Cassandro (cerca de 358 a 297 a.C.) foi composto pela Macedônia, a maior parte da Grécia e partes da Trácia. O reino de Lisímaco (cerca de 361 a 281 a.C.) incluía a Lídia, a Jônia, a Frígia e outras partes da atual Turquia. O reino de Seleuco (falecido em 281 a.C.; mais tarde o Império Seleucida), compreendia o atual Irã, o Iraque, a Síria e partes da Ásia Central. O reino de Ptolomeu I (falecido em 283 a.C.) incluía o Egito e as regiões adjacentes. O mapa foi feito por Edward Weller (falecido em 1884), um cartógrafo e gravurista residente em Londres que criou mapas publicados mensalmente, distribuídos para assinantes do jornal Weekly Dispatch e, mais tarde, publicados no Atlas de Cassel do Weekly Dispatch. A escala do mapa é dada em estádios gregos. Um estádio equivale a 185 metros.

Data de Criação

Data do Assunto

Título no Idioma Original

Kingdoms of the Successors of Alexander: After the Battle of Ipsus, B.C. 301

Tipo de Item

Descrição Física

1 mapa: colorido; 23 x 31 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 11 de maio de 2015