Três livros sobre a vida

Descrição

Marsílio Ficino (1433 a 1499) foi um filósofo, teólogo, padre e médico italiano da Renascença, mais conhecido por suas traduções e exegeses das obras de Platão. Seus escritos originais mais importantes incluem a Theologia Platonica (Teologia platônica, 1469 a 1474) e Liber de Christiana religione (Livro sobre a religião cristã, 1474). Mostra-se aqui o códice de uma das obras tardias de Ficino, De triplici vita (Três livros sobre a vida, 1489), da Coleção Plutei da Biblioteca Medicea Laurenziana, em Florença. O colofão do verso do fólio 174 indica que o manuscrito foi concluído em 16 de setembro de 1489. Ele é anterior, portanto, à editio princeps (primeira edição impressa), que foi realizada em Florença por Antonio Miscomini, no dia 3 de dezembro de 1489. As iluminuras são de Attavante Attavanti. De triplici vita consiste em três livros. De vita sana (Sobre a vida saudável), dedicado ao patrono de Ficino, Lourenço, o Magnífico, busca ajudar estudiosos a atingir uma vida saudável por meio da dieta e dos hábitos adequados. De vita longa (Sobre a vida longa), que Ficino dedica a Filippo Valori, um florentino notável apadrinhado por Lourenço, fornece conselhos semelhantes aos idosos. De vita coelitus comparanda (Sobre a obtenção da vida dos céus) analisa a possibilidade de adquirir força, na Terra, a partir dos corpos celestiais. Ficino dedicou este livro ao Rei Matias Corvino, da Hungria (1443 a 1490). Também está incluído o códice de duas obras filosóficas, Apologia quaedam, in qua de medicina, astrologia, vita mundi, item de magis, qui Christum statim natum salutaverunt inscripta (Apologia à medicina, astrologia, à vida do mundo e mesmo aos Magos que saudaram Cristo quando de seu nascimento) e Epistola, cuius argumentum est: Quod necessaria sit ad vitam securitas, et tranquillitas animi (Epístola sobre a segurança e tranquilidade da alma, necessária para a vida). O códice é um dos volumes encomendados para a Bibliotheca Corviniana, de Matias Corvnio, que permaneceu em Florença após a morte prematura do rei húngaro. A Coleção Plutei consiste em aproximadamente 3000 manuscritos e livros da coleção privada da família Médici, que, encadernados em couro vermelho e acompanhados do brasão dos Médici, foram organizados sobre os bancos da Laurenziana quando a biblioteca foi aberta pela primeira vez ao público, em 1571. Cosme de Médici (1389 a 1464) possuía 63 livros entre 1417 e 1418, e sua coleção aumentou para 150, na época de sua morte. Seus filhos Pedro (1416 a 1469) e João (1421 a 1463) disputavam quem encomendava o maior número de manuscritos iluminados. Lourenço, o Magnífico (1449 a 1492), filho de Pedro, adquiriu um grande número de códices gregos e, a partir da década de 1480, encomendou cópias de todos os textos que faltavam na biblioteca com o objetivo de tornar o acervo dos Médici um importante centro de pesquisa. Após a expulsão dos Médici de Florença, em 1494, os livros foram subtraídos da família. João de Médici, eleito Papa Leão X em 1513, reatribuiu a coleção à família Médici, e outro papa Médici, Clemente VII (Júlio de Médici), encarregou-se da criação da Laurenziana.

Data de Criação

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

Ficini De triplici vita

Lugar

Outras Palavras-Chave

Tipo de Item

Descrição Física

Pergaminho; 160 x 260 milímetros; 173 fólios

Referências

  1. Christopher S. Celenza, "Marsilio Ficino", The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Spring 2012 Edition), Edward N. Zalta (ed.), http://plato.stanford.edu/archives/spr2012/entries/ficino.

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 17 de outubro de 2017