Conferência sobre o desarmamento, Genebra, 1933

Descrição

Sessenta países enviaram representantes à Conferência sobre o Desarmamento convocada em Genebra, em fevereiro de 1932, para considerar reduções em armamentos, particularmente em armas ofensivas. A Alemanha, cujo exército e a marinha já haviam sido limitados pelo Tratado de Versalhes, exigiu que outros Estados fossem desarmados em igual medida e, na eventualidade de não o fazerem, exigiu seu direito de remontar as forças armadas. A França, que temia o renascimento do poder alemão, argumentou que a segurança deveria preceder o desarmamento, pedindo garantias de segurança e o estabelecimento de uma força policial internacional antes da redução de suas próprias forças. Devido a um impasse, a conferência foi suspendida no verão de 1932. Ela foi reiniciada em fevereiro de 1933, apenas alguns dias após Adolf Hitler assumir o poder na Alemanha. Determinada a se rearmar, a Alemanha rejeitou todas as propostas que não garantissem sua paridade militar imediata com as potências ocidentais. No dia 23 de outubro de 1933, a Alemanha anunciou sua retirada tanto da Conferência sobre o Desarmamento quanto da Liga das Nações, supostamente em resposta à recusa das potências ocidentais de suprir sua demanda por igualdade. Antes de sua saída, a Alemanha foi representada na conferência pelo Ministro para Esclarecimento Público e Propaganda, Joseph Goebbels, que pode ser visto neste retrato do grupo de representantes (sentados, no centro). Esta fotografia pertence aos arquivos da Liga, que foram transferidos para as Nações Unidas em 1946, e estão armazenados no gabinete da ONU, em Genebra. Eles foram anexados ao registro da Memória do Mundo da UNESCO em 2010.

Última Atualização: 11 de setembro de 2017