Mandato francês para a Togolândia

Descrição

Em decorrência da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha perdeu suas colônias e o Império Otomano foi dividido e forçado a entregar o controle dos territórios no Oriente Médio. Um Pacto da Liga das Nações estabeleceu um sistema sob o qual a Liga conferia a certos Estados mandatos para governar antigas colônias que, na linguagem do Pacto, eram “habitadas por povos ainda incapazes de defenderem-se sob as árduas condições do mundo moderno”. A Grã-Bretanha e o Império Britânico, a França, a Bélgica e o Japão receberam mandatos para administrar vários territórios na África, no Oriente Médio e no Pacífico. O antigo protetorado alemão de Togolândia (atual Togo e parte de Gana) foi dividido entre Grã-Bretanha e França. Mostra-se aqui o mandato sobre a Togolândia concedido pela Liga das Nações à França. O texto, em 12 artigos, estabelece o escopo geográfico do território mandatado e especifica as responsabilidades da potência mandatária, que incluem objetivos louváveis, como a supressão do comércio de escravos, a garantia de liberdade de consciência e de religião e o respeito aos costumes e leis locais. Anexado ao mandato, está um acordo entre os governos britânico e francês que define as fronteiras entre as duas partes da Togolândia. O texto está em francês e inglês. Este documento pertence aos arquivos da Liga, que foram transferidos para as Nações Unidas em 1946 e estão armazenados no gabinete da ONU, em Genebra. Os arquivos foram anexados ao registro da Memória do Mundo da UNESCO em 2010.

Última Atualização: 14 de novembro de 2017