Kirka Sharif, o santuário onde o manto do Profeta está preservado

Descrição

Esta fotografia da Kirka Sharif (Mesquita do Manto Sagrado), em Kandahar, pertence a um álbum de fotografias históricas raras que retrata pessoas e lugares associados à Segunda Guerra Anglo-Afegã. A Kirka Sharif abriga o manto (capa) que se diz ter pertencido ao Profeta Maomé. Trata-se de uma das mais reverenciadas relíquias do mundo islâmico, dada pelo emir de Bucara a Aḥmad Shāh Durrānī (1722 a 1772), regente do Império Durrani (1747 a 1818), por volta do ano de 1768. O interior da mesquita é feito de mármore verde proveniente de Helmand e ricamente entalhado, com azulejos espelhados e detalhes em dourado. Aparecem aqui um pátio e uma lápide dentro do santuário. Os muros são decorados com entalhes de árvores e de outro tipo de vegetação, cada um com um desenho diferente. Um homem afegão está sentado sozinho nas escadas que levam ao interior da mesquita. A Segunda Guerra Anglo-Afegã começou em novembro de 1878, quando a Grã-Bretanha, temendo o que era visto como uma crescente influência russa sobre o Afeganistão, invadiu o país pela Índia Britânica. A primeira fase da guerra terminou em maio de 1879, com o Tratado de Gandamak, que permitiu aos afegãos manter a soberania interna, porém forçou-os a ceder aos britânicos o controle sobre sua política externa. Os confrontos recomeçaram em setembro de 1879, após uma rebelião antibritânica em Cabul, terminando finalmente em setembro de 1880 com a decisiva Batalha de Kandahar. O álbum inclui retratos de líderes britânicos e afegãos, de militares e de cidadãos afegãos comuns; além de imagens de acampamentos militares britânicos, atividades, estruturas, paisagens, cidades e vilas. Todos os locais fotografados se encontram dentro das fronteiras dos atuais Afeganistão ou Paquistão (que era parte da Índia britânica, naquele momento). Cerca de um terço das fotografias foi tirado por John Burke (entre 1843 e 1900, aproximadamente); um outro terço, por Sir Benjamin Simpson (1831 a 1923) e o restante por vários outros fotógrafos. Algumas das fotografias não indicam o nome do fotógrafo. O álbum possivelmente foi compilado por algum membro do governo da Índia britânica, mas isso ainda não foi confirmado. Não se sabe como ele chegou até a Biblioteca do Congresso.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016