Desenho de uma ação na província de Khost

Descrição

Esta fotografia de um desenho de uma ação militar próxima a Khost (atual Khowst), Afeganistão, pertence a um álbum de fotografias históricas raras que retrata pessoas e lugares associados à Segunda Guerra Anglo-Afegã. A identidade do artista é desconhecida. A imagem parece mostrar um conflito ocorrido entre fim de 1878 e janeiro de 1879 que envolveu a Força de Campo do Vale de Kurram e adversários afegãos não identificados. No primeiro plano, está uma multidão composta pela cavalaria e pelos dragões (infantaria montada) britânicos, enquanto, à frente deles, membros da infantaria atiram contra o inimigo à distância. Uma seção da cadeia de montanhas do Hindu Kush se ergue no plano de fundo distante do desenho. A Segunda Guerra Anglo-Afegã começou em novembro de 1878, quando a Grã-Bretanha, temendo o que era visto como uma crescente influência russa sobre o Afeganistão, invadiu o país pela Índia Britânica. A primeira fase da guerra terminou em maio de 1879, com o Tratado de Gandamak, que permitiu aos afegãos manterem a soberania interna, porém forçando-os a ceder aos britânicos o controle sobre sua política externa. Os confrontos recomeçaram em setembro de 1879, após uma rebelião antibritânica em Cabul, e, finalmente, terminaram em setembro de 1880 com a decisiva Batalha de Kandahar. O álbum inclui retratos de líderes britânicos e afegãos, de militares e de cidadãos afegãos comuns; além de imagens de acampamentos militares britânicos, atividades, estruturas, paisagens, cidades e vilas. Todos os locais fotografados se encontram dentro das fronteiras dos atuais Afeganistão ou Paquistão (que era parte da Índia britânica, naquela época). Cerca de um terço das fotografias foi tirado por John Burke (entre 1843 e 1900, aproximadamente); um outro terço, por Sir Benjamin Simpson (1831 a 1923) e o restante por vários outros fotógrafos. Algumas das fotografias não indicam o nome do fotógrafo. O álbum possivelmente foi compilado por algum membro do governo da Índia britânica, mas isso não foi confirmado. Não se sabe como ele chegou até a Biblioteca do Congresso.

Última Atualização: 30 de setembro de 2016