Explicação do telescópio

Descrição

O autor desta obra foi Tang Ruowang (nome chinês de Johann Adam Schall von Bell, 1592 a 1666), missionário jesuíta alemão que, junto de Jin Nige (Nicolas Trigault, 1577 a 1628), chegou à China em 1622. Após estudar chinês em Pequim, Schall foi enviado para uma missão em Xi'an. Ele voltou a Pequim em 1630 para continuar a obra de Deng Yuhan (Johannes Terentius, 1576 a 1630), missionário jesuíta suíço, sobre a revisão do calendário e o desenvolvimento de vários instrumentos astronômicos. Por sua obra, ele recebeu uma placa com a inscrição “Louvor imperial em astronomia” do Imperador Chongzhen, o último imperador da dinastia Ming. Em 1645, segundo ano do primeiro imperador Qing, Shunzhi, Schall foi nomeado diretor do Departamento Imperial de Astronomia. Em 1651, ele recebeu o título prestigioso concedido a oficiais civis de Tong yi da fu (grão-mestre do conselho) e, em 1653, de tong xuan jiao shi (professor do entendimento celestial). Em 1664, Yang Guangxian (1597 a 1669), um astrônomo chinês e chefe do Departamento de Astronomia entre 1665 e 1669, escreveu vários memoriais que atacam os jesuítas. Em um dos artigos, aceito pelo Conselho de Ritos, ele alegou que, em 1660, Schall havia causado a morte da Consorte Donggo ao escolher um dia desfavorável para o funeral do filho dela. Em abril de 1665, Schall, junto de vários outros missionários, incluindo Ferdinand Verbiest (1623 a 1688), Ludovico Buglio (1606 a 1682), Gabriel de Magalhães (1609 a 1677) e sete outros assistentes chineses, foi preso, condenado e sentenciado à morte. No fim das contas, graças à intervenção da Imperatriz Dowager, todos os missionários foram libertos e exilados em Macau, exceto quatro deles, que ficaram em Pequim. Schall von Bell era conhecido por seu conhecimento avançado em astronomia e na ciência dos calendários. Suas 36 obras incluem os importantes títulos Hun tian yi shuo (Explicação da esfera armilar), Xing tu (Mapas estelares), Gu jin jiao shi kao (Pesquisa sobre os eclipses do passado e do presente) e Jiao shi li zhi (Tratados astronômicos sobre eclipses). Esta obra cheia de ilustrações foi impressa pela primeira vez em 1626 e reimpressa em Pequim no ano de 1630 para distribuição. A cópia da Biblioteca Nacional Central apresentada aqui pertence à série Yi hai zhu cen (Pó de pérolas do mar artístico), compilada por Wu Xinglan (1738 a 1810), um bibliófilo Qing. A obra inclui uma inscrição na parte da frente, que diz: “compilado por Tang Ruowang”. Também está incluído um prefácio do autor, datado de 1626. O texto aborda a utilização e produção de telescópios. A parte mais longa fala da utilização. Schall apresenta as descobertas mais recentes feitas a partir da observação do céu com telescópios, informando os leitores dos achados de Galileu e explicando as observações do Sol, da Lua, de Vênus, Júpiter, Saturno e outras estrelas da Via Láctea. Na seção sobre a razão, ele discute os princípios ópticos do telescópio, a refração da luz e a transmissão oblíqua (refração e reflexão). Seus diagramas representam a refração da luz na água contida no interior de um recipiente a partir de vários ângulos. Schall explica que o telescópio é uma combinação de duas lentes de vidro que têm o efeito de produzir uma imagem clara e grande e mostra como as lentes da frente e de trás dependem uma da outra. A obra inclui um grande número de ilustrações.

Última Atualização: 24 de maio de 2017