Edição reimpressa da introdução geral à astronomia dos calendários

Descrição

Esta obra foi escrita originalmente por Wang Yingming (falecido em 1614), e acredita-se que ela tenha sido a primeira obra de um estudioso chinês influenciada pelo conhecimento ocidental, já que Wang foi muito influenciado por Li Zhizao (1565 a 1630), oficial e estudioso que realizou a tradução de várias obras de missionários jesuítas europeus na China. O manuscrito foi concluído em 1612. Ele foi publicado pela primeira vez pelo filho de Wang, Wang Yang, em 1639. Aqui, vemos uma edição reimpressa, publicada em 1646 pela Jiguge, a maior editora criada em Changshu no final da dinastia Ming. Como graduado da província, Wang Yingming coletou e estudou várias obras sobre astronomia. A obra de Wang resumia o essencial das escolas de pensamento anteriores, fazia menção aos calendários ocidentais, e evitava mencionar presságios bons e ruins. A edição reimpressa tem sete prefácios, três dos quais são datados, de Zhao Shichun, Wang Yueyu, Weng Hanlin, Qian Mingyin, Tu Xiangmei (datado de 1639), Wang Yang (datado de 1639) e do próprio autor (datado de 1612). Antes do texto, há cinco ilustrações da abóboda celeste, dos nove círculos celestes, dos 24 períodos solares e de eclipses lunares e solares. Também há um texto curto que afirma que a Terra se encontra em meio a seis harmonias, como a gema do ovo em meio à clara. Quando a Terra está com sua face oeste voltada para o Sol, há uma sombra a leste; quando está com sua face leste voltada para ele, há uma sombra a oeste. Esta formulação representa uma combinação da cosmologia chinesa da cobertura celeste com a teoria astronômica ocidental. O primeiro juan conta com seis ensaios sobre o corpo ou esfera celeste, o Sol e a Lua, os cinco planetas (Júpiter, Marte, Saturno, Mercúrio e Vênus), os períodos do dia, os registros de clepsidra e itens diversos. Embora reconheça a validade do conceito chinês de nove círculos celestes, o autor também se baseia na astronomia ocidental. O segundo juan conta com três ensaios e aborda o Palácio Extremo, o movimento dos corpos celestes e da Via Láctea, e o Zi wei gong (o Palácio Roxo Proibido). Os ensaios apresentam várias estrelas e as 28 constelações chinesas, cuja referência é a Bu tian ge (A canção das marchas dos céus). O terceiro juan conta com sete ensaios e aborda os graus dos corpos celestes, os planetas e estrelas, os 12 palácios celestiais, o equador celestial e a previsão do tempo. No ensaio sobre os 12 palácios celestes, o autor apresenta as posições dos 12 corpos celestes no sistema ocidental e sua relação com as 28 constelações chinesas, combinando outra vez abordagens das astronomias oriental e ocidental. A obra conta com um apêndice e um ensaio sobre eclipses solares e lunares, que apresenta marcadores de pontuação em preto e vermelho.

Última Atualização: 24 de maio de 2017