Coleção de hadiths autênticos de al-Bukhari, acompanhados por uma exegese do Alcorão no quarto volume

Descrição

Muhammad ibn Isma‘il al-Bukhari (de 810 a 70) nasceu em Bukhara, no atual Uzbequistão, e morreu em Khartank, próximo de Samarcanda. É considerado pelos muçulmanos sunitas o mais respeitado colecionador de hadiths, relatos de declarações ou ações atribuídas ao profeta Maomé. Esta obra, concluída em 846, é a coleção mais conhecida de al-Bukhari. Ela foi a primeira obra do seu tipo dedicada exclusivamente aos hadiths, e é o mais consagrado dos chamados Seis Livros, coleções canônicas escritas por volta de 200 anos depois da morte do profeta Maomé. Esses livros no fim consolidaram o papel do hadith como a segunda fonte de jurisprudência islâmica mais importante depois do Alcorão. Em sua totalidade, Sahīh al-Bukhārī (sahih significa autêntico ou correto) contém 97 kitāb (livros). Este lindo manuscrito do Norte da África em escrita maghribi contém os livros que vão do 59 ao 64: Badʼ al-khalq (Princípio da criação), Aḥādīth al-anbiyā (Provérbios dos profetas), al-Manāqib (As virtudes), Faḍl aṣḥāb al-nabī (Méritos dos companheiros do Profeta), Manāqib al-anṣār (Virtudes dos defensores de Medina do Profeta), e al-Maghazī (As batalhas). Embora a divisão de Sahīh al-Bukhārī em 97 livros seja bem conhecida e tenha se mantido inalterada, copistas e editores modernos produziram a gigantesca obra em diferentes volumes, de acordo com o que adicionaram do grande acervo que surgiu com a obra ao longo dos séculos. Os seis livros desta cópia manuscrita formam um terceiro volume completo de um número desconhecido de volumes que pode ou não ter existido. As seções do manuscrito apresentam títulos elaborados em notas azuis e amarelas em várias combinações, anotações dispersas e correções nas margens, e chamadas nos retos. O texto, escrito por um escriba desconhecido, está em tinta preta com rubricas em papel vergê creme e cercado por uma margem com duas linhas vermelhas. A obra tem um elaborado ʻunwan (painel decorativo no início de um tratado) e colofão. Tentativas de reunir hadiths começaram durante a vida do profeta Maomé e continuaram nos dois séculos seguintes, mas foi al-Bukhari que estabeleceu as bases para uma metodologia clara de autenticação e a usou para colecionar hadiths. À medida que a dissidência teológica e política entre muçulmanos sunitas e xiitas crescia, a questão da autenticação se tornou mais importante. Em termos de autenticidade, estudiosos muçulmanos sunitas tipicamente classificam os hadiths em seis categorias, de acordo com a autoridade da sua isnad (cadeia de transmissores). Um hadith pode ser sahih (autêntico), hasan (bom), da’if (fraco), mawdhu’a (fabricado), ou munkar (denunciado). Normalmente, hadiths classificados como sahih ou hasan podem ser utilizados na jurisprudência. Conforme sugere o título desta obra, Sahīh al-Bukhārī inclui apenas hadiths autênticos. As diferenças acerca do hadith entre as tradições sunitas e xiitas se concentram bastante na confiabilidade dos transmissores.

Data de Criação

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

صحيح البخاري أو الجامع الصحيح

Tipo de Item

Descrição Física

200 folhas, encadernado: papel; 23 x 18 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 27 de agosto de 2015