Caminho de eloquência

Descrição

Este manuscrito é uma cópia do Nahj al-balāghah (Caminho de eloquência), o compêndio clássico dos sermões, escritos e aforismos de ‘Ali ibn Abi Talib (falecido em 661), o quarto califa. Essa obra é especialmente reverenciada por muçulmanos xiitas, que veem ‘Ali e seus descendentes como os legítimos sucessores do profeta Maomé. A voz autoral de ‘Ali é filtrada aqui através de seu intérprete, Muhammad ibn al-Husayn, conhecido como al-Sharif al-Radi (de 969 ou 970 a 1016), que compilou o texto a partir de várias fontes islâmicas. A antologia resultante tem levantado o debate sobre a autenticidade das palavras de ‘Ali. O que não há dúvida é que a obra estabeleceu um padrão para uma expressão literária árabe elegante e uma declamação concisa. Al-Sharif al-Radi era um estudioso xiita de destaque na corte abássida. Na introdução, ele escreve que classificou o conteúdo de acordo com a forma de apresentação, ou seja, sermão, carta ou aforismo. Do momento em que a obra foi compilada até o presente, estudiosos e leitores fiéis têm reclassificado e analisado seu conteúdo de acordo com o assunto, por exemplo, as reivindicações de liderança de ‘Ali, governança, psicologia, linguística e relações de gênero. A obra ou partes dela foram traduzidas para várias línguas. Este manuscrito do século XVII mostra o grande cuidado na ornamentação e no arranjo das abundantes notas marginais, que aparecem artisticamente dispostas em torno do texto principal com moldura dourada. A escrita é o naskh, com 15 linhas por página. O local onde a obra foi escrita não é informado.

Última Atualização: 11 de maio de 2015