Compêndio de obras de medicina de Avenzoar e Averróis

Descrição

Este trabalho é um compêndio de traduções latinas de várias obras de dois renomados autores andaluzes do século XII: ʻAbd al-Malik ibn Abī al-ʻAlāʾ Ibn Zuhr (falecido em 1162), conhecido no Ocidente latino como Avenzoar; e Abu ’l-Walīd Muḥammad ibn Aḥmad ibn Muḥammad ibn Rushd, o celebrado Averróis (1126 a 1198) do Ocidente latino. O conhecido tratado médico de Ibn Zuhr, Taysīr fi ’l-mudāwāt wa ’l-tadbīr (Manual prático de tratamentos e dietas), é apresentado aqui, bem como a maior obra médica de Ibn Rushd, al-Kulliyāt fī al-ṭibb (Os princípios gerais da medicina), traduzido para o latim como Colliget. Entre os dois trabalhos há um pequeno tratado, o Antidotarium (Livro dos antídotos), que é atribuído a Ibn Zuhr, embora esta obra não conste na lista de obras em árabe conhecidas desse autor. Ibn Zuhr nasceu em Sevilha, provavelmente no final do século XI. Ibn Khallikān escreve, sobre os membros da família Ibn Zuhr, que eles eram “todos homens cultivados, líderes, sábios e vizires que atingiram altos postos no séquito de príncipes.” O pai de Ibn Zuhr, Abū ’l -ʻAlā’ Zuhr ibn ʻAbd al-Malik ibn Muḥammad, um famoso médico, ensinou seu filho, que obteve excelência na medicina ainda muito jovem, enquanto recebia também uma rigorosa educação literária e jurídica. As observações clínicas cuidadosas de Ibn Zuhr o levaram a ter ideias originais. Ele foi o primeiro a recomendar a traqueostomia e a alimentação artificial por meio do esôfago ou do reto. Foi nomeado vizir do segundo califa almóada, ʻAbd al-Mu’min, e parece ter servido também como médico da corte. Ibn Rushd, também conhecido como célebre comentador de Aristóteles, estava na corte almóada naquele tempo e se tornou amigo e colaborador de Ibn Zuhr. De acordo com Ibn Abī Uṣaybiʻa, Ibn Rushd pediu a Ibn Zuhr que escrevesse um livro sobre “al-umūr al-juz’īya” (as particularidades [da terapia]), “de modo que os dois trabalhos juntos pudessem formar um tratado completo sobre a arte da medicina.” Isto confirma que o emparelhamento de Taysīr e Kullīyāt é originário dos manuscritos árabes que formam a origem do presente trabalho. A tradução latina do Kullīyāt apresentada nesta edição contém uma introdução e seis partes: sobre a anatomia (35 capítulos), sobre a saúde (22 capítulos), sobre as doenças (41 capítulos), sobre os sinais e o diagnóstico de doenças e da cura (60 capítulos), sobre alimentos e medicamentos (59 capítulos) e sobre as regras da saúde (18 capítulos). Impressões mais antigas do Taysīr incluem as edições de Veneza de 1490, 1496 e 1497, com o título Liber Teisir sive Rectificatio medicationis et regiminis. Todas as três edições incluem o Antidotarium. A presente versão foi impressa em 1530 em Veneza, no estabelecimento de Ottaviano Scoto de Monza, em 1479.

Data de Criação

Data do Assunto

Informação da Publicação

Ottaviano Scotto, Veneza

Idioma

Título no Idioma Original

Colliget Auer. Habes in hoc volumine, studiose lector, gloriosi illius senis Abhomeron Abinzoar librum Theysir

Outras Palavras-Chave

Tipo de Item

Descrição Física

108 páginas: ilustrações, 28 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 24 de maio de 2017