"Ensaio Científico sobre a Necessidade de Remédios Compostos" do Cânone de Medicina

Descrição

Abu Ali al-Husayn Ibn Sina (980–1037) foi um dos luminares intelectuais do mundo medieval. Conhecido no ocidente latino como Avicena, este polímata persa foi chamado frequentemente de al-Shaykh al-Ra'īs pelos autores muçulmanos, reconhecendo seu papel como um dos principais sábios do mundo islâmico. Autor prolífico, Ibn Sina escreveu sobre tópicos bem diversos como metafísica, teologia, medicina, psicologia, geociências, física, astronomia, astrologia e química. Sua fama na Europa reside principalmente sobre seu Cânone de Medicina, que foi traduzido para o latim e permaneceu, durante séculos, parte do currículo padrão de estudantes de medicina. Devido à reputação desta obra, além de duas de suas outras obras traduzidas para o latim, al-Adwīya al-qalbīya (Medicação cardíaca) e al-Urjūza fī al-tibb (um manual sobre medicina em verso), Ibn Sina  às vezes era chamado de princeps medicorum (príncipe dos médicos) no ocidente latino. Aqui é apresentada uma cópia manuscrita do quinto livro do Cânone de Avicena. O título al-Maqālah al-ʻilmīyah fī al-ḥājah ilā al-adwīyah al-murakkabah (Ensaio científico sobre a necessidade de remédios compostos) é usado como título de uma seção do Cânone pelo próprio autor. O livro atual é organizado em seções que tratam dos principais órgãos ou condições clínicas. Cada seção é subdividida em tópicos, como sintomas, tratamentos, prescrições nutricionais e receitas para compostos medicinais. A seção sobre os rins, por exemplo, inclui subseções sobre a anatomia do rim, sobre diversos indicadores de status do rim e uma lista de doenças, como "calor," "frio" ou "fraqueza" no rim, além de remédios para elas. O manuscrito em questão parece ter sido parte de um livro maior, cujas primeiras 300 páginas aproximadamente foram removidas. A primeira página de texto inclui um campo em branco, que provavelmente deveria ter sido um frontispício que nunca foi concluído. Há 35 linhas por página. O texto está em tinta preta, com títulos em tinta vermelha (frequentemente repetidos nas margens).

Última Atualização: 2 de dezembro de 2015