História geral das coisas da Nova Espanha de Frei Bernardino de Sahagún: O Códice Florentino. Livro IV: A arte da adivinhação

Descrição

Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente mencionado como o Códice Florentino, o manuscrito consiste de 12 livros dedicados a diferentes tópicos. O Livro IV trata da arte da adivinhação, ou astrologia judicial, como praticada pelos astecas e, em especial, com o Tonalpohualli (calendário ritual). Os mesoamericanos usavam dois calendários, um solar e um ritual. O Xiuhpohualli (calendário solar) tinha um ciclo de 365 dias divididos em 18 meses de 20 dias cada, mais cinco dias considerados de mau agouro. O calendário ritual consistia de 260 dias e era formado pela associação de números de 1 a 13 com 20 signos diferentes. Uma tabela, usada principalmente por sacerdotes na adivinhação, encontra-se reproduzida com impressionantes detalhes nos fólios 329 (reto) e 329 (verso). Entre outras ilustrações no Livro IV, encontra-se uma imagem repulsiva de antropofagia, ou ritual de canibalismo, que era frequentemente praticado como parte do rito de sacrifício humano. Sahagún descreve o sacrifício em relação aos festivais de Xipe Tótec, o deus da primavera e da regeneração, e de Huitzilopochtli, o deus da guerra e do sol (fólio 268, reto). Prisioneiros eram levados ao templo de Huitzilopochtli, mortos, e sua carne consumida pelos notáveis. Por meio dessa prática, a força do inimigo era consumida e assumida por seus captores, em uma espécie de comunhão com o morto e com os deuses.

Última Atualização: 26 de outubro de 2012