Atlas geral de todas as ilhas do mundo

Descrição

O Islario general de todas las islas del mundo (Atlas geral de todas as ilhas do mundo) é o maior trabalho feito pelo cosmógrafo de Sevilha, Alonso de Santa Cruz (1505–1567). O atlas foi iniciado durante o reinado do Sacro Imperador Romano e do Rei da Espanha Carlos V e concluído no reinado de seu filho, o Rei Filipe II, a quem ele foi dedicado. Ele consiste em 111 mapas que representam todas as ilhas e penínsulas do mundo e que mostram todas as descobertas feitas por exploradores europeus de 1400 até meados do século XVI. O atlas começa com uma carta escrita por Santa Cruz ao rei, em que ele justifica seu trabalho e explica os diferentes conceitos geográficos. Precedendo o mapa, encontra-se o texto “Breve introducción de la Sphera”, em que Santa Cruz faz uma descrição cosmográfica, ilustrada por 14 figuras astronômicas. Os mapas estão organizados em quatro partes: a primeira mostra o Atlântico Norte; a segunda, as áreas mediterrâneas e adjacentes; a terceira, a África e o Oceano Índico; e a quarta, o Novo Mundo. Os mapas incluem escalas em latitude e algumas em longitude e corpos de água com escalas variadas e orientadas com rosas dos ventos. O Islario general é o atlas mais antigo em que foi usado papel, em vez de pergaminho, que era o material mais comumente usado no passado para esses mapas. O desenho dos mapas é mais funcional, com menos atenção à estética e mais aos detalhes geográficos que nos mapas e atlas portulanos da era medieval. Os estudiosos determinaram, com base nas datas que aparecem nos textos descritivos das ilhas, que os mapas foram feitos no início da quarta década do século XVI, por volta de 1539, e que o atlas completo foi concluído por volta de 1560. É bem provável que o Islario general seja uma parte de uma Geografía Universal que Santa Cruz nunca concluiu. Santa Cruz foi uma das principais figuras da Casa de Contratación (Casa de Contratação) em Sevilha. Um de seus primeiros trabalhos foi um conjunto dos mapas esféricos do Novo Mundo. Ele criou vários outros trabalhos sobre cosmografia e geografia, como o Libro de longitudes, e sobre temas históricos, incluindo a Crónica de los Reyes Católicos (Crônica dos reis católicos) e a Crónica de Carlos V (Crônica de Carlos V). Após a morte de Santa Cruz, seu sucessor, Andrés García de Céspedes, tentou reivindicar crédito para este trabalho. Na capa, o nome Alonso de Santa Cruz foi apagado, o nome García de Céspedes foi inserido como se ele fosse o autor e o trabalho é dedicado ao rei Filipe III. No manuscrito em si, textos apócrifos foram sobrepostos aos originais, com o objetivo de disfarçar a autoria real e a data de criação.

Data de Criação

Data do Assunto

Idioma

Título no Idioma Original

Islario general de todas las islas del mundo

Tipo de Item

Descrição Física

360 páginas com 111 mapas: guache sobre papel; 28 x 21 centímetros

Estrutura Internacional para a Interoperabilidade de Imagens (IIIF) Ajuda

Última Atualização: 1º de abril de 2015