1.011 resultados em português
A ceia da quarta-feira de cinzas
La cena de le Ceneri (A ceia da quarta-feira de cinzas), o primeiro dos seis diálogos filosóficos italianos de Giordano Bruno, foi publicada pela primeira vez em Londres, em 1584. A página de título não indica o local de publicação ou a editora, mas estudiosos concordam que o livro foi impresso na loja londrina de John Charlewood. A obra é dedicada ao embaixador francês do tribunal inglês, Michel de Castelnau, senhor de Mauvissière, que ajudou Bruno após sua chegada em Londres, em 1583. Ele apresenta uma exposição inovadora da teoria ...
Álbum de artefatos religiosos da Igreja do Museu Arqueológico da Academia Teológica de Kiev
Este livro, o primeiro de uma série de álbuns dedicados à Igreja do Museu Arqueológico da Academia Teológica de Kiev, é sobre a coleção de ícones do Monte Sinai e do Monte Atos montados pelo Bispo Porfírio Uspensky (1804–1885). O Bispo Porfírio nasceu na Rússia, estudou na Academia Teológica de São Petersburgo e foi ordenado padre em 1829. Em 1842, foi enviado pelo sínodo da Igreja Ortodoxa Russa para Jerusalém, a fim de intensificar relações com os Cristãos Ortodoxos da Síria e da Palestina. Entre 1845 e 1846, ele ...
O primeiro impressor de livros na Rússia, 1583
Este livro, publicado em Kiev em 1895, é uma pequena biografia de Ivan Fyodorov (aproximadamente 1510–1583), criada para o público em geral. Juntamente com Schweipolt Fiol e Francysk Skaryna, Fyodorov foi um dos criadores da tipografia na região eslava oriental. Graduado pela Universidade Jaguelônica de Cracóvia, na Polônia, mais tarde trabalhou em Moscou, onde publicou obras litúrgicas usando tipos móveis, os primeiros livros impressos na Rússia. Ele foi expulso de Moscou por escribas que temiam a concorrência em função de sua inovação e procurou refúgio no Grão-Ducado da Lituânia ...
Covas de Kiev e o Monastério de Kiev-Pechersk
Este livro, publicado em Kiev em 1864, apresenta uma história e uma descrição do Monastério de Kiev-Pechersk, também chamado de Monastério das Covas de Kiev  (pechera significa cova; lavra indica um monastério de prestígio), um grande complexo fundado em 1051 por um monge chamado Antonio em covas escavadas na encosta.. O mosteiro logo se tornou o centro do cristianismo na Rússia e desempenhou um papel importante no desenvolvimento cultural local, abrigando a primeira tipografia em Kiev e cronistas, escritores, médicos, cientistas e artistas famosos. O Monastério de Kiev-Pechersk é o ...
O batistério da Catedral de Santa Sofia em Kiev
Este livro fala sobre o batistério da Catedral de Santa Sofia em Kiev. O nome da catedral não provém de um santo em particular, mas sim da Hagia Sofia do século VI em Constantinopla (atual Istambul) e significa “Sagrada sabedoria”. Concebida como “a nova Constantinopla” para representar o cristianismo oriental, a Santa Sofia de Kiev foi construída no século XI. O batistério foi construído no claustro alguns anos mais tarde e suas paredes ainda exibem os afrescos dos séculos XI a XII. No início do século XX, o batistério se ...
O movimento cultural e nacional na Ucrânia nos séculos XVI e XVII
Mykhailo Hrushevs’kyi (1866–1934) foi professor de história e um líder político na Ucrânia, que serviu como presidente do Conselho Central Ucraniano na época da Revolução Russa de 1917. Esse trabalho, publicado em 1912, é dedicado ao movimento cultural e nacional da Ucrânia dos séculos XVI e XVII e à formação de uma consciência nacional ucraniana. Grande parte do livro lida com as relações entre a Ucrânia e a Polônia e seu efeito na formação de um estado ucraniano. O autor descreve um declínio da vida ortodoxa e secular ...
Uma descrição do Monastério de Kiev-Pechersk
Este livro, publicado em 1826 na tipografia do Monastério de Kiev-Pechersk, é uma abrangente descrição do monastério e de seu estabelecimento. O Monastério de Kiev-Pechersk, também chamado de Monastério das Covas de Kiev (pechera significa cova e lavra indica um monastério de prestígio), um grande complexo fundado em 1051 por um monge chamado Antonio em covas escavadas na encosta. Mais tarde, o monastério se tornou o centro para o cristianismo na Rússia e para o desenvolvimento cultural local, que serve de apoio para escritores, médicos, cientistas e artistas. Após um ...
Monumentos da arte ucraniana do século XVIII
Este livreto é criação de Nikolai Makarenko, um especialista em arquitetura, história da arte e arqueologia, e mais tarde diretor do Museu de Artes de Kiev. Ele começa refletindo sobre os efeitos benéficos da cultura cossaca na Rússia sulista e seu impacto significativo na cultura ucraniana. Ele elogia o estilo dos séculos XVII e XVII e descreve a Igreja Pokrovskaia como um exemplo de arquitetura bela e pura. A igreja foi construída em 1764 por Pyotr Kalishevski, em Romny, Província de Poltavskaia, e mais tarde movida para a cidade de ...
Evangelho de Peresopnytsia, um monumento da arte renascentista do século XVI do Sul da Rússia
Este trabalho é dedicado a um dos mais importantes e lindamente decorados manuscritos eslavos orientais, o Evangelho de Peresopnytsia, criado em meados do século XVI, parte no Mosteiro da Mãe de Deus em Peresopnytsia, Volyn, e parte no Mosteiro da Sagrada Trindade, próximo a Lviv, ambos atualmente na Ucrânia. O presente livro, de Alexander Gruzinskii, abrange a história do evangelho, sua ornamentação e imagens gráficas. A primeira parte se concentra na origem do manuscrito de Peresopnytsia, que foi redescoberto na década de 1830 pelo acadêmico esloveno Osip Bodjanskij. A segunda ...
Rutênia dos Cárpatos
Este álbum, provavelmente publicado por volta de 1920, contém 20 fotografias de cenas em Rutênia dos Cárpatos, uma região montanhosa, em que grande parte pertencia à Áustria-Hungria antes da Primeira Guerra Mundial, mas que se tornou parte do novo estado da Tchecoslováquia em 1919. Atualmente, a maior parte dela forma o Oblast da Transcarpátia na Ucrânia ocidental, com partes menores na Eslováquia e Polônia. As fotografias apresentam as igrejas em madeira que eram o centro para a prática do Cristianismo oriental (uma combinação do Catolicismo Romano com o Rito oriental ...
Cultura ucraniana: Uma breve história da vida cultural do povo ucraniano
No verão de 1918, Ivan Ogienko (1882–1972), um cientista ucraniano e figura política, pública e eclesiástica, se tornou o fundador e o primeiro presidente da universidade estadual de Kam'ianets'-Podil's'kyi (subsequentemente renomeada em sua homenagem). Mais tarde, ele deu várias palestras sobre a cultura ucraniana na universidade, nas quais este livro é baseado. A Parte I relata a história da cultura até o século XVII. Ela descreve o território da Ucrânia, juntamente com a música, poemas épicos (Cossaco) e outros importantes trabalhos literários, o idioma e ...
Nevitskoe. Ruínas do castelo
Esta imagem faz parte de um álbum, provavelmente publicado por volta de 1920, que contém 20 fotografias de cenas em Rutênia dos Cárpatos, uma região montanhosa, em que grande parte pertencia à Áustria-Hungria antes da Primeira Guerra Mundial, mas que se tornou parte do novo estado da Tchecoslováquia em 1919. Atualmente, a maior parte dela forma o Oblast da Transcarpátia na Ucrânia ocidental, com partes menores na Eslováquia e Polônia. A construção de Nevitskoe ou Castelo de Nevitsky, 12 quilômetros ao norte de Uzhhorod, começou no século XV. Uma poderosa ...
Kostrina. Igreja em madeira
Esta imagem faz parte de um álbum, provavelmente publicado por volta de 1920, que contém 20 fotografias de cenas em Rutênia dos Cárpatos, uma região montanhosa, em que grande parte pertencia à Áustria-Hungria antes da Primeira Guerra Mundial, mas que se tornou parte do novo estado da Tchecoslováquia em 1919. Atualmente, a maior parte dela forma o Oblast da Transcarpátia na Ucrânia ocidental, com partes menores na Eslováquia e Polônia. A Igreja Pokrovska de madeira foi construída em Syanky, em 1645, e transferida para Kostrina, em 1761. Suas torres em ...
A história do teatro ucraniano
Esta obra do crítico literário, escritor e tradutor ucraniano Ivan Steshenko é o primeiro volume de uma história do teatro ucraniano projetada para ter vários volumes. O volume está dividido em cinco capítulos. O primeiro aborda questões conceituais e históricas, como a ascensão do teatro e a transformação de cultos rituais antigos em performances. O segundo capítulo aborda os ritos folclóricos latino-germânicos e eslavos, com seus respectivos conteúdos. O terceiro capítulo discute o teatro como uma forma de disseminação do cristianismo na Ucrânia. O quarto capítulo oferece informações sobre o ...
Manhattan no Rio Norte
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa de 1639 em bico de ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa das Pequenas Antilhas
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
As ilhas e o continente das Índias Ocidentais
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa da baía de Santiago
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Havana na ilha de Cuba
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa da costa atlântica da América do Norte desde a Baía de Chesapeake até a Flórida
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa da Costa do Golfo da Flórida até o México
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa de Novos Países Baixos, Virgínia e Nova Inglaterra
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
O Rio Norte na região dos Novos Países Baixos
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa do Rio Sul, em Novos Países Baixos
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa em bico de pena e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mapa da Península da Flórida
Joan Vinckeboons (1617-1670) foi um cartógrafo e gravador holandês nascido em uma família de artistas de origem flamenga. Ele foi empregado pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e por mais de 30 anos produziu mapas para utilização pela marinha mercantil e militar holandesa. Ele foi parceiro de negócios de Joan Blaeu, um dos mais importantes editores de mapas e atlas até então. Vinckeboons desenhou uma série de 200 mapas manuscritos que foram usados na produção de atlas, incluindo o Atlas Maior de Blaeu. Este mapa de cerca de 1639 da ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Atlas geral de todas as ilhas do mundo
O Islario general de todas las islas del mundo (Atlas geral de todas as ilhas do mundo) é o maior trabalho feito pelo cosmógrafo de Sevilha, Alonso de Santa Cruz (1505–1567). O atlas foi iniciado durante o reinado do Sacro Imperador Romano e do Rei da Espanha Carlos V e concluído no reinado de seu filho, o Rei Filipe II, a quem ele foi dedicado. Ele consiste em 111 mapas que representam todas as ilhas e penínsulas do mundo e que mostram todas as descobertas feitas por exploradores europeus ...
Atlas de Joan Martines
Este atlas manuscrito de Joan Martines, cosmógrafo do rei Filipe II da Espanha, com data de 1587, representa a combinação de duas escolas cartográficas que existiam no momento de sua criação. A mais antiga era a tradicional escola de Maiorca, que era especializada em mapas portolanos decorativos que, nessa época, eram obsoletos com relação às informações geográficas que transmitiam. A mais recente era a escola cartográfica dos Países Baixos, que aplicavam princípios da Renascença e usavam formas diferentes de representação cartográfica com base nos novos conceitos em astronomia, matemática e ...
O método supremo e a pura fonte sobre as regras da autenticação legal
Aḥmad ibn Yaḥyá al-Wansharīsī (1430 ou 1431–1508) foi jurista e acadêmico da escola Maliki de jurisprudência islâmica. Ele nasceu em Jabal Wansharīs, mas quando criança sua família se mudou para a cidade vizinha de Tilimcen, atualmente localizada na Argélia Ocidental onde estudou e, posteriormente, lecionou a lei Maliki. Sua relação com o governante de Tilimcen, o Sultão Muhammad IV da dinastia Banu Abd al-Wad teve complicações em circunstâncias não esclarecidas e, como consequência disso, ele fugiu para Fez, no Marrocos. Com a ajuda de seu ex-aluno Muhammad ibn al-Gardīs ...
O reluzente tesouro com respostas aceitáveis a questões de fé
Aḥmad ibn ʻAbd al-Laṭīf ibn Aḥmad al-Bashbīshī (1631–85) foi um jurista islâmico da escola Shāfiʻī de jurisprudência. Ele nasceu e faleceu no povoado de Bashbīsh, região de Al-Mahalla, no delta do rio Nilo, no Egito. Ele estudou jurisprudência islâmica no Cairo e lecionou na Mesquita Al-Azhar, também no Cairo, tradicionalmente considerada uma proeminente instituição do mundo islâmico para o estudo da teologia sunita. Al-Tuhfa al-Saniyya bi Ajwibat al-Masaa’il al-Mardhiyya (O reluzente tesouro com respostas aceitáveis a perguntas de fé) é um conjunto de escritos sobre uma variedade de ...
Resquícios algébricos únicos do comentário de Sibṭ sobre o Yāsamīnīyya
Esta obra é uma elaboração do comentário escrito pelo matemático egípcio Sibṭ al-Māridīnī — isto é, um comentário sobre outro comentário — sobre o urjūzah (introdução em verso) à ciência da álgebra, originalmente composta pelo matemático e letrado berbere Abū Muḥammad ‘Abd-Allāh al-Ishbīlī al-Marrakushī, também conhecido como Ibn al-Yāsamīn, falecido em 1204 [600 a.H.]) Al-Yāsamīn resumiu seus conhecimentos matemáticos em um tratado em verso conhecido como Yāsamīnīyya (O tratado de al-Yāsamīn). Por volta do final do século XV, os versos de al-Yāsamīn foram objeto de um comentário em prosa, Lum‘a ...
História geral das coisas da Nova Espanha de Frei Bernardino de Sahagún: O Códice Florentino
Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente chamado de Códice Florentino, o manuscrito chegou às mãos dos Médici antes de 1588 e está agora na Biblioteca Medicea Laurenziana em Florença. Sahagún iniciou suas pesquisas sobre culturas nativas na ...
Java e Austrália
Este mapa manuscrito de Java e do extremo norte da Austrália, é cópia de um trabalho anterior feito pelo cartógrafo malaio-português Emanuel Godinho de Eredia (1563-1623). No século XVI, Portugal enviou várias expedições para explorar as ilhas ao sul da Malásia; é possível que eles tenham obtido algum conhecimento sobre a geografia da Austrália como resultado destas missões. Alguns estudiosos especularam que os malaios tinham conhecimento da Austrália, que Eredia absorveu de alguma forma. O primeiro avistamento europeu documentado da Austrália, foi o do navegador holandês Willem Janszoon, em 1606.
Uma descrição moderna da Irlanda, uma das Ilhas Britânicas
Abraham Ortelius (1527-1598) foi um ilustrador e empresário flamenco que viajou muito, em busca de seus interesses comerciais. Em 1560, durante uma viagem com Gerardus Mercator, interessou-se pela geografia científica. A principal obra de Ortelius, Theatrum orbis terrarum (Teatro do mundo), foi publicada em Antuérpia em 1570, no limiar da era dourada da cartografia holandesa . Theatrum apresentava o mundo em seus elementos constitutivos e refletia uma época de exploração, ampliando relações comerciais e a pesquisa científica. Hoje considerado o primeiro atlas mundial, o Theatrum original foi aprimorado com atualizações frequentes ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Fortaleza de Dio: Planos de Praças e Fortes de Territórios Portugueses na Ásia e na África
Estes desenhos mostram a fortalez de Diu, localizada numa ilha ao largo da costa noroeste da Índia. Em 1509, os Portugueses derrotaram as forças do Sultão de Gujarat na Batalha de Diu, garantindo assim uma posição dominante nas rotas comerciais do Oceano Índico. Construção deste complexo composto por guarnição-fortaleza começou em 1535, sob um acordo com o sultão, mas o acordo não prosperou e as tropas do sultão atacaram o forte em 1537. A fortaleza foi reconstruída em 1545 por João de Castro (1500-48), um comandante naval Português e o ...
Fortaleza de Chaul: Planos de Praças e Fortes de Territórios Portugueses na Ásia e na África
Este desenho mostra a fortaleza de Chaul, um dos complexos de defesa de Portugal ao longo da costa ocidental da Índia. Os Portugueses primeiro se estabeleceram em Chaul em 1521 e construiram um forte, que foi reconstruído diversas vezes. A estrutura mostrada neste desenho é mais provavelmente aquela construída em 1613, que apresentava obras expandidas de defesa.
Fortaleza de Ormuz: Planos de Praças e Fortes de Possessões Portuguesas na Ásia e na África
Este desenho mostra o forte português em Ormuz, localizado na ilha do Golfo Pérsico de Hormuz. No seu apogeu, Ormuz foi um dos mais importantes portos do Oriente Médio, controlando rotas comerciais entre a Índia e a África Oriental. Antes de ficar sob o controle Português no início dos anos 1500, Ormuz foi uma cidade-estado que floresceu como reino independente. Sua localização privilegiada ao longo de rotas comerciais fez dela uma das cidades mais ricas do mundo. Os Portugueses controlaram a cidade e seu porto de 1515 até 1622, quando ...
O caderno de rascunhos sienense de Sangallo
O tão chamado caderno de rascunhos sienenses do famoso arquiteto e engenheiro Giuliano da Sangallo estava originalmente na biblioteca do estudioso sienense Giovanni Antonio Pecci. O bibliotecário Giuseppe Ciaccheri, um colecionador devoto e apaixonado que enriqueceu a Biblioteca Comunale degli Intronati di Siena com obras de arte de excelente qualidade, o adquiriu em 1784. Juntamente com o Códice Barberiniano na Biblioteca Apostólica Vaticana, o caderno de rascunhos testemunha a prolífica produção de desenhos do arquiteto e é uma fonte valiosa de conhecimento sobre seu trabalho. O pequeno formato e o ...
O Mapa das Terras de Oztoticpac
Datado de aproximadamente 1540, este mapa é um documento Mexicano pitoresco, escrito em Espanhol e Náuatle, refere-se ao processo judicial do estado de Dom Carlos Ometochtli Chichimecatecotl, um senhor asteca e um dos muitos filhos de Nezahualpilli, regente de Texcoco. Dom Carlos foi acusado de heresia e executado publicamente pelas autoridades espanholas em 30 de novembro de 1539. O pleito começou em 31 de dezembro de 1540, quando um homem identificado como Pedro de Vergara pediu à Inquisição que retornasse a ele algumas árvores frutíferas tomadas pela propriedade de Dom ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Miscelânea de Molla Sadra
Muḥammad ibn Ibrāhīm Ṣadr al-Dīn Shīrāzī (1571–1640), mais conhecido como Molla Sadra, foi um filósofo, teólogo e místico islâmico persa que liderou a renascença cultural iraniana no século XVII. O principal exemplo do movimento iluminacionista, ou Eshraqi, escola dos filósofos místicos, Molla Sadra é comumente considerado pelos iranianos o maior filósofo que o Irã já produziu e provavelmente o filósofo mais importante e influente do mundo muçulmano nos últimos quatro séculos. Sua escola de filosofia é chamada de Teosofia transcendental. A filosofia e a ontologia de Molla Sadra são ...
História geral das coisas da Nova Espanha de Frei Bernardino de Sahagún: O Códice Florentino. Introdução, índices e Livro I: Os deuses
Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente chamado de Códice Florentino, o manuscrito consiste de 12 livros dedicados a diferentes tópicos. Sahagún seguiu a tipologia de trabalhos medievais anteriores, dispondo sua pesquisa em "coisas divinas, humanas e naturais ...
História geral das coisas da Nova Espanha de Frei Bernardino de Sahagún: O Códice Florentino. Livro II: As cerimônias
Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente mencionado como o Códice Florentino, o manuscrito consiste de 12 livros dedicados a diferentes tópicos. O Livro II trata das festividades e sacrifícios para os deuses, realizados de acordo com um ...
História geral das coisas da Nova Espanha de Frei Bernardino de Sahagún: O Códice Florentino. Livro III: A origem dos deuses
Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente mencionado como o Códice Florentino, o manuscrito consiste de 12 livros dedicados a diferentes tópicos. O Livro III trata da origem dos deuses, especialmente Tezcatlipoca e Quetzalcoatl, e inclui apêndices sobre ...