1.010 resultados em português
Grandes rotas comerciais do Saara
Este mapa de rotas comerciais transaarianas de 1889, do explorador francês Edouard Blanc, reflete a crescente prioridade dada pelos europeus ao comércio terrestre durante a “corrida pela África” imperial do final do século XIX. Em artigos sobre sua obra, Blanc destacou a importância de identificar rotas geográficas “naturais” que ligariam territórios coloniais franceses na África Ocidental, como o Senegal, à Argélia na África Setentrional, além de conectarem a costa mediterrânea ao Sudão e África Central. Blanc baseaou seus mapas não apenas em suas próprias viagens, mas também em quase um ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Al-Zaura, Nº 422, 28 de fevereiro de 1874
Al-Zaura foi uma criação do wali (governante) do Iraque Midhat Pasha (que reinou entre 1869 e 1872), que era otomano, pró-ocidente e progressista. Ele fundou o jornal quando trouxe consigo de Paris uma prensa tipográfica, a primeira do Iraque, na época de sua transferência para Bagdá em 1869. O nome Al-Zaura foi tirado de um apodo de Bagdá, que significa literalmente dobra ou curva, já que a cidade está localizada em uma grande curva do rio Tigre. O jornal é, provavelmente, a fonte mais importante sobre a história do Iraque ...
Exibir mais 49 edições
Álbum de artefatos religiosos da Igreja do Museu Arqueológico da Academia Teológica de Kiev
Este livro, o primeiro de uma série de álbuns dedicados à Igreja do Museu Arqueológico da Academia Teológica de Kiev, é sobre a coleção de ícones do Monte Sinai e do Monte Atos montados pelo Bispo Porfírio Uspensky (1804–1885). O Bispo Porfírio nasceu na Rússia, estudou na Academia Teológica de São Petersburgo e foi ordenado padre em 1829. Em 1842, foi enviado pelo sínodo da Igreja Ortodoxa Russa para Jerusalém, a fim de intensificar relações com os Cristãos Ortodoxos da Síria e da Palestina. Entre 1845 e 1846, ele ...
Atlas geral de todas as ilhas do mundo
O Islario general de todas las islas del mundo (Atlas geral de todas as ilhas do mundo) é o maior trabalho feito pelo cosmógrafo de Sevilha, Alonso de Santa Cruz (1505–1567). O atlas foi iniciado durante o reinado do Sacro Imperador Romano e do Rei da Espanha Carlos V e concluído no reinado de seu filho, o Rei Filipe II, a quem ele foi dedicado. Ele consiste em 111 mapas que representam todas as ilhas e penínsulas do mundo e que mostram todas as descobertas feitas por exploradores europeus ...
O método supremo e a pura fonte sobre as regras da autenticação legal
Aḥmad ibn Yaḥyá al-Wansharīsī (1430 ou 1431–1508) foi jurista e acadêmico da escola Maliki de jurisprudência islâmica. Ele nasceu em Jabal Wansharīs, mas quando criança sua família se mudou para a cidade vizinha de Tilimcen, atualmente localizada na Argélia Ocidental onde estudou e, posteriormente, lecionou a lei Maliki. Sua relação com o governante de Tilimcen, o Sultão Muhammad IV da dinastia Banu Abd al-Wad teve complicações em circunstâncias não esclarecidas e, como consequência disso, ele fugiu para Fez, no Marrocos. Com a ajuda de seu ex-aluno Muhammad ibn al-Gardīs ...
O reluzente tesouro com respostas aceitáveis a questões de fé
Aḥmad ibn ʻAbd al-Laṭīf ibn Aḥmad al-Bashbīshī (1631–85) foi um jurista islâmico da escola Shāfiʻī de jurisprudência. Ele nasceu e faleceu no povoado de Bashbīsh, região de Al-Mahalla, no delta do rio Nilo, no Egito. Ele estudou jurisprudência islâmica no Cairo e lecionou na Mesquita Al-Azhar, também no Cairo, tradicionalmente considerada uma proeminente instituição do mundo islâmico para o estudo da teologia sunita. Al-Tuhfa al-Saniyya bi Ajwibat al-Masaa’il al-Mardhiyya (O reluzente tesouro com respostas aceitáveis a perguntas de fé) é um conjunto de escritos sobre uma variedade de ...
Resquícios algébricos únicos do comentário de Sibṭ sobre o Yāsamīnīyya
Esta obra é uma elaboração do comentário escrito pelo matemático egípcio Sibṭ al-Māridīnī — isto é, um comentário sobre outro comentário — sobre o urjūzah (introdução em verso) à ciência da álgebra, originalmente composta pelo matemático e letrado berbere Abū Muḥammad ‘Abd-Allāh al-Ishbīlī al-Marrakushī, também conhecido como Ibn al-Yāsamīn, falecido em 1204 [600 a.H.]) Al-Yāsamīn resumiu seus conhecimentos matemáticos em um tratado em verso conhecido como Yāsamīnīyya (O tratado de al-Yāsamīn). Por volta do final do século XV, os versos de al-Yāsamīn foram objeto de um comentário em prosa, Lum‘a ...
Al-Iraq, Nº 1, 1º de junho de 1920
O Al-Iraq era um jornal diário que se concentrava em política, literatura e economia, publicado pela primeira vez em Bagdá em 1º de junho de 1920. De propriedade de Razzuq Dawood Ghannam, o jornal apresentava uma linha editorial independente desde suas primeiras edições. Em toda a sua existência, ele registrou a história política, social e econômica do Iraque e foi considerado a primeira e última fonte de notícias sobre problemas e causas nacionais. O jornal não representava a crescente elite nacionalista e anticolonial, mas era pan-iraquianista em orientação e contava ...
Exibir mais 499 edições
História de Bizâncio
Este manuscrito grego em pergaminho datado dos séculos XII ao XIII é um dos códices mais valiosos da Biblioteca Nacional da Espanha, apreciado pela riqueza de sua iluminura. A obra, de Ioannes Scylitza (prosperou em 1081), conta a história dos imperadores bizantinos de 811 a 1057, abrangendo eventos desde a proclamação de Miguel I Rangabe em 811 ao reinado de Miguel VI em 1056–1057. O manuscrito contém 577 miniaturas de diferentes artistas. A maior parte das cenas é acompanhada por uma legenda que explica seu significado. As miniaturas ilustram ...
O compêndio de graças e fonte de encantos
Este manuscrito do século XVII contém o texto do Majmoo’a al-Latā’if wa-Yanbu‘ al-Zarā’if (O compêndio de graças e fonte de encantos), uma coleção de orações esotéricas e místicas. A obra é dividida em diversos capítulos, não numerados e normalmente contendo apenas algumas páginas, com rubricas indicando o início de cada capítulo. A obra discute a conveniência espiritual de se rezar de uma determinada maneira, em um determinado mês islâmico, dia da semana ou ocasião religiosa, citando ditos do profeta Maomé e outras tradições islâmicas como argumentos de ...
Jerusalém libertada
La Gerusalemme liberata (Jerusalém libertada) é um poema épico escrito pelo poeta italiano do final do Renascimento, Torquato Tasso (1544–1595). Escrito em estrofes de oito linhas comuns à poesia renascentista italiana, a obra-prima de Tasso é conhecida pela beleza de sua linguagem, expressões profundas de emoção e a preocupação com a precisão histórica. O tema do poema é a Primeira cruzada de 1096 a 1099 e a busca do cavaleiro franco Godofredo de Bulhão para liberar o sepulcro de Jesus Cristo. Tasso nasceu em Sorrento, no Reino de Nápoles ...
"Ensaio Científico sobre a Necessidade de Remédios Compostos" do Cânone de Medicina
Abū Alī al-Ḥusayn Ibn Sīnā (980–1037) foi um dos luminares intelectuais do mundo medieval. Conhecido no ocidente latino como Avicena, este polímata persa foi chamado frequentemente de al-Shaykh al-Ra'īs pelos autores muçulmanos, reconhecendo seu papel como um dos principais sábios do mundo islâmico. Autor prolífico, Ibn Sīnā escreveu sobre tópicos bem diversos como metafísica, teologia, medicina, psicologia, geociências, física, astronomia, astrologia e química. Sua fama na Europa reside principalmente sobre seu Cânone de Medicina, que foi traduzido para o latim e permaneceu, durante séculos, parte do currículo padrão ...
O livro dos cavalos
Esta obra é uma cópia manuscrita sem data do Faras-nāma (O livro dos cavalos) de ʻAbd Allāh Khān Bahādur Fīrūz. Aparentemente foi escrito durante o reinado do Xá Jahan (que reinou em 1628–1658) e é baseado parcialmente no Shalihotra, escrito em sânscrito em versos com 16.000 shloka (dísticos), datando de 2500–1500 a.C. Dentre os tópicos tratados estão a cor do pelo de um cavalo e seu significado (capítulo 2), a crina do cavalo (capítulo 3), sinais que indicam a agilidade de um cavalo no campo ...
O livro completo sobre o julgamento das estrelas
Este livro é uma tradução para o latim da principal obra científica de Ibn al-Rijāl Abū al-Ḥasan al-Shaybānī al-Maghribī al-Qayrawānī, Kitāb al-bāriʻ fī aḥkām al-nujūm (Livro completo sobre o julgamento das estrelas). Conhecido no Ocidente latino como Haly Abenragel ou Haly Albohazenn, Ibn al-Rijāl foi o astrólogo e principal funcionário da corte do príncipe zīrida Muʻizz ibn Bādīs (1007 ou 1008 a 1062) em Qayrawān (atual Kairouan, Tunísia). O Kitāb al-bāriʻ consiste em oito livros que abordam diferentes tipos de astrologia. Estes incluem interrogações, natividades, a discussão dos signos ...
Comentário sobre o capítulo nono do livro de medicina dedicado a Mansur
Esta obra é um comentário em latim do professor e médico italiano Giovanni Arcolani (falecido em 1484, também conhecido como Ioannis Arculani) sobre o nono livro do Kitāb al-ṭibb al-Manṣūrī (O livro da medicina dedicado a Mansur) do renomado polímata persa Abū Bakr Muḥammad ibn Zakarīyā Rāzī (entre 865 e 925, aproximadamente). Conhecido no Ocidente latino como Rhazes ou Rasis, Rāzī nasceu em Rayy, ao sul de Teerã. Ele é geralmente considerado uma das figuras fundamentais da medicina no período medieval. Sua influência sobre o desenvolvimento da ...
Compêndio de textos médicos de Mesué, com escritos adicionais de vários autores
O renomado médico persa nestoriano Yūḥannā Ibn Māsawayh (entre 777 e 857, aproximadamente), conhecido no Ocidente latino como Mesué, nasceu em Samarra, atual Iraque. De acordo com al-Qiftī, pai de Yūḥannā, foi solicitado a Abu Yūḥannā Māsawayh, médico do famoso centro de saúde de Jundīshāpūr (no sudoeste da Pérsia, próximo da atual Dezful), que criasse um hospital em Bagdá durante o reinado do Califa Hārūn al-Rashīd (reinou entre 786 e 809). Ibn Māsawayh continuou o trabalho de seu pai em Bagdá, ensinando medicina, escrevendo obras médicas e tratando pacientes. Ibn ...
Os três livros sobre alquimia de Geber, o grande filósofo e alquimista
Jābir ibn Hayyan (também conhecido por seu nome latinizado, Geber, entre 721 e 815, aproximadamente) foi contemporâneo dos primeiros abássidas, que reinaram entre 750 e 800, aproximadamente, e um dos principais proponentes da alquimia no período inicial do Islã. A primeira biografia de Jābir, no al-Fihrist, foi escrita no século décimo por Ibn al-Nadīm, um estudioso e bibliógrafo que viveu em Bagdá. Ela contém um grande número de elementos lendários, embora evidências externas tenham mostrado que a lista de obras atribuídas a Jābir neste trabalho está, em geral, correta. A ...
Compêndio de traduções latinas de tabelas astronômicas persas
Este volume é um compêndio de seis obras que inclui as traduções latinas de partes da Zīj-i Sulṭānī, de Muḥammad Ṭaraghāy ibn Shāhrukh ibn Tīmūr (1394 a 1449), conhecido como Ulugh Beg. Os outros trabalhos incluem um excerto da obra Taqwīm al-Buldān (intitulada “Uma descrição da Corásmia e da Transoxiana a partir de tabelas de Abū al-Fidāʾ”), de Abū al-Fidāʾ Ismāʿīl Ibn ʿAlī (1273 a 1331) e uma tabela das estrelas de Muhammad ibn Muhammad Tizīnī. Ulugh Beg (“grande comandante” em turco) era neto de Tīmūr (conhecido no Ocidente ...
Os sete livros sobre o método terapêutico, a arte da cura, de João de Damasco (Decápolis), a maior autoridade médica entre os árabes
Yúhānnā Ibn Serapion foi um físico nestoriano do século nono conhecido no Ocidente como Serapion. Ele escreveu dois compêndios médicos (al-kunnāsh, em árabe) em sua língua nativa, o siríaco; o primeiro em sete seções (al-kunnāsh al-ṣaghīr) e o segundo em 12 seções (al-kunnāsh al-kabīr). O maior dos dois compêndios está preservado em Istambul como MS Ayasofya 3716. A obra mais curta foi traduzida para o árabe pelo secretário Mūsā b. Ibrāhīm al-Ḥadīthī, em prol do médico Abu ’l-Ḥasan b. Nafīs. Al-kunnāsh al-ṣaghīr foi traduzido para o latim por ...
Os oito tratados de Abū Ma‘shar’s sobre as grandes conjunções, as revoluções anuais e suas origens
Ja‘far ibn Muḥammad al-Balkhī (787 a 886), conhecido como Abū Ma‘shar (e como Albumasar no Ocidente latino), foi um dos mais famosos astrônomos da Idade Média. Na Europa, sua fama se baseava nas várias traduções para o latim de seus trabalhos astronômicos, originalmente em árabe. Ele nasceu na cidade persa de Balkh (atual Afeganistão), no dia 20 de Ṣafar, 171 A.H. (10 de agosto de 787). O mais provável é que ele tenha sido educado primeiramente em Balkh, antes de se mudar para Bagdá, já que seu ...
Os quatro livros sobre a medicina de Octavius Horatianus e os três livros de Abū Al-Qāsim, distinto entre todos os cirurgiões
Este volume impresso no estabelecimento Argentorati, em Estrasburgo (atualmente na França), em fevereiro de 1532, inclui duas obras, a primeira é a tradução latina de Theodorus Priscianus (prosperou aproximadamente em 400) e de seu próprio compêndio terapêutico, o Euporista (Remédios facilmente obtidos), originalmente escrito em grego. A segunda obra é uma tradução latina de uma seção do conhecido trabalho médico árabe de Abu al-Qasim Khalaf ibn al-Abbas al-Zahrawi (também conhecido por seu nome latinizado, Albucasis, entre 936 e 1013, aproximadamente), Al-Taṣrīf li man ‘ajiza al-ta’līf (A obtenção de ...
Tratado de Al-Qabīṣī’s sobre os princípios da astronomia imparcial
ʻAbd al-ʻAzīz Ibn ʻUthmān foi um famoso astrólogo, que se acredita, com base em um comentário no Fihrist, ter sido contemporâneo de Muḥammad ibn Isḥāq Ibn al-Nadīm (ativo em 987). Ele provavelmente nasceu em al-Qabīṣ, que é um nome compartilhado por dois locais no Iraque: um deles próximo a Mawṣil; o outro, de Sāmarra Ele pode ter tido ascendência persa. O principal trabalho ainda existente de Al-Qabīṣī’s é al-Madkhal ilā ṣinā‘at aḥkām al-nujūm (Introdução à arte do [conhecimento do] julgamento das estrelas), dedicada a Sayf al-Dawla, o ...
Compêndio de textos médicos de Mesué, com escritos adicionais de vários autores
Este compêndio de textos médicos foi impresso em Lyon, no estabelecimento de Benoît Bonyn (ativo entre 1523 e 1544), em 1523. A maior parte e o texto mais importante do compêndio foram escritos pelo médico nestoriano persa Yūḥannā Ibn Māsawayh (entre 777 e 857, aproximadamente), conhecido no Ocidente latino como Mesué e nascido em Samarra, atual Iraque. De acordo com al-Qiftī, pai de Yūḥannā, foi solicitado a Abu Yūḥannā Māsawayh, médico do famoso centro de saúde de Jundīshāpūr (no sudoeste da Pérsia, próximo da atual Dezful), que criasse um hospital ...
A pérola perfeita das maravilhas e a preciosa pérola das coisas extraordinárias
Kharīdat al-ʻajā’ib wa farīdat al-gharā’ib (A pérola perfeita das maravilhas e a preciosa pérola das coisas extraordinárias) por Sirāj al-Dīn Abū Ḥafṣ ʿUmar Ibn al-Wardī (falecido em 1457) é uma compilação de textos sobre geografia, história natural e outros assuntos. Os textos geográficos constituem a maior parte da obra. Eles listam e descrevem lugares diferentes, com destaque para o Oriente Médio e Norte da África, apesar de também haver seções sobre a China e a Europa. As informações geográficas apresentadas variam muito em qualidade, mesmo para as regiões ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Os esplendores da revelação e os mistérios da exegese
Kitāb anwār al-tanzīl wa asrār al-ta’wīl (Os esplendores da revelação e os mistérios da exegese) é a obra mais conhecida do sábio do século XIII ʻAbdallāh ibn ʻUmar al-Bayḍāwī (falecido por volta de 1286). Conforme indica o título, o tema da obra é a exegese do Alcorão. Após uma introdução em que al-Bayḍāwī louva a ciência da al-tafsīr (exegese) como a principal ciência religiosa e a base para a xariá (lei islâmica), o texto do Alcorão continua, com cada ayah (verso) aparecendo em tinta vermelha acompanhado por uma passagem ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Livro da tributação
Kitāb al-kharāj (Livro da tributação) é um texto clássico sobre a fiqh (Jurisprudência islâmica), escrito por Abū Yusūf Yaʿqūb Ibrāhīm al-Anṣārī al-Kūfī (falecido em 798; 182 A.H.), a pedido do califa abássida Hārūn al-Rashīd (de 763 ou 766 a 809). Abū Yusuf foi o estudante mais famoso de Abū Ḥanīfa e, junto com seu ilustre professor, é considerado um dos fundadores da escola de direito hanafi. Na introdução do livro, Abū Yusūf descreve como o califa lhe pediu para escrever uma obra tratando da coleta do al-kharāj (imposto cobrado ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Súplica atribuída ao califa Ali
O califa ‘Alī ibn Abī Ṭālib (entre 601 e 61) é uma das mais reverenciadas figuras religiosas e sagradas do Islã. Seu nome honorário, Amīr al-Mu'minīn, é traduzido do persa como o “príncipe dos crentes”. As obras escritas por ‘Alī ibn Abī Ṭālib e ditos a ele atribuídos são sagrados para os fiéis xiitas, sobretudo entre os falantes do persa. Mostramos aqui uma cópia do manuscrito iluminado do século XVIII do Munājāt (Súplica) de ʻAli ibn Abī Ṭālib. Estão incluídos tanto o original em árabe com uma tradução em ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
A joia da coroa
Este manuscrito de Durrat al-tāj (A joia da coroa) é um livro de orações xiitas, consistindo de orações a serem proferidas ao se visitar o túmulo do califa ʻAlī ibn Abī Ṭālib (entre 601 e 61). ʻAlī ibn Abī Ṭālib é uma das mais reverenciadas figuras religiosas e sagradas do Islã. Seu nome honorário, Amīr al-Mu'minīn, é traduzido do persa como o “príncipe dos crentes”. As obras escritas por ‘Alī ibn Abī Ṭālib e ditos a ele atribuídos são sagrados para os fiéis xiitas, sobretudo entre os falantes ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Ismāʻīl, o embaixador persa de Ṭahmāsp, Rei da Pérsia
Melchior Lorck, ou Lorichs (1527 a 1590, aproximadamente), foi o mais brilhante artista gráfico do século XVI na Dinamarca. Ele nasceu em Flensburg de pais ilustres, e os reis dinamarqueses se hospedavam na casa dos Lorck quando visitavam a cidade. Em 1549, o Rei Cristiano III forneceu suporte financeiro a Lorck para prosseguir em uma jornada educacional. A paixão de Lorck por viagens o levou pela Europa e, por fim, a Viena, onde ele conseguiu emprego com o Imperador Carlos V. De 1555 a 1559, Lorck foi um dos três ...
Constantinopla
Este esboço de viagem colorido da Constantinopla (atualmente Istambul), como visto desde a parte oriental da cidade de Scutari (atualmente Üsküdar) através do Estreito de Bósforo, foi feito pelo pintor dinamarquês Martinus Rørbye (1803-1848), uma figura central na "Era de Ouro" da arte dinamarquesa (1770-1900, aproximadamente). Após sua formação em Kunstakademiet, Rørbye viajou muito para a França, Itália, Grécia e Turquia. Em 1833, ele foi um dos primeiros artistas a pintar em Skagen, bem ao norte da Dinamarca, cerca de 45 anos antes dela se tornar o paraíso dos artistas ...
O Livro Precioso sobre Datas Dignas de Serem Lembradas
Este pequeno trabalho, intitulado Kitāb al-yawāqīt fī ma‘rifat al-mawāqīt, e copiados por um autor anônimo em Shawwāl no período Junho-Julho de 1775 (AH 1168), é atribuído a Ḥusayn (ou Hasan) b. Zayd b. ‘Alī al-Jaḥḥāf, que segundo se informa dedicou ao Abū ‘Alī Manṣūr al-Ḥākim bi Amr-Allāh, o sexto legislador Fatímidas (morreu 996). O manuscrito contém a lista dos 12 meses do ano, uma em cada folha, sob a forma de um almanaque. A última página constitui-se numa página-guia voltada para a interpretação de sonhos, declaradamente preparada a mando ...
O Livro das Sextas-feiras
O primeiro livro impresso em armênio foi o Urbathagirq (O Livro das Sextas-feiras), publicado em Veneza no ano de 1512 por Hakob Meghapart (Jacó, o Pecador). Pouco se sabe sobre Hakob Meghapart ou sobre os motivos que o levaram a se apresentar como “o Pecador” (ou “o Pecaminoso”). Naquela época, a Armênia estava sob o domínio dos turco-otomanos, e a comunidade da diáspora desempenhou um papel central na preservação da língua e da tradição literária armênias. Escrito em Grabar (armênio clássico), o livro consiste principalmente de orações e tratamentos para ...
Calendário litúrgico armênio
O Parzatumar (calendário litúrgico armênio) foi o segundo livro impresso em armênio, após o Urbathagirq (O Livro das Sextas-feiras). Ambos os livros foram publicados por Hakob Meghapart (Jacó, o Pecador), que, em 1512, se estabeleceu entre a comunidade armênia de Veneza e desenvolveu a primeira editora armênia. Nesta cópia, da Biblioteca Nacional da Armênia, as duas obras estão encadernadas conjuntamente. Pouco se sabe sobre Hakob Meghapart ou sobre os motivos que o levaram a se apresentar como “o Pecador” (ou “o Pecaminoso”). Naquela época, a Armênia estava sob o domínio ...
Livro de canções de Hakob Meghapart
O Tagharan (livro de canções), uma coleção de odes para a alma e o corpo, foi um dos cinco primeiros livros publicados por Hakob Meghapart (Jacó, o Pecador), que estabeleceu a primeira editora armênia em Veneza, em 1512. Pouco se sabe sobre Hakob Meghapart ou sobre os motivos que o levaram a se apresentar como "o Pecador" (ou "o Pecaminoso"). Naquela época, a Armênia estava sob o domínio dos turco-otomanos e a comunidade da diáspora desempenhou um papel central na preservação da língua e da tradição literária armênias. O livro ...
Cartas, ensaios e sermões de São Gregório Nazianzeno
Este manuscrito do século XVIII é uma coleção de cartas, ensaios e sermões de São Gregório Nazianzeno (falecido em 389, aproximadamente). Acredita-se que o manuscrito seja a primeira tradução para o árabe do original grego, não tendo ainda sido editado ou publicado. Trata-se do segundo volume de uma obra de dois volumes. Gregório Nazianzeno, também conhecido como Gregório, o Teólogo, é reconhecido como Pai da Igreja tanto na tradição oriental quanto ocidental. Ele nasceu na Capadócia (no leste da Anatólia), onde passou a maior parte de sua vida. Foi colega ...
Pentateuco
Este manuscrito é uma tradução para o árabe dos primeiros cinco livros do Antigo Testamento (Pentateuco), o qual é chamado, na primeira folha, de “A Sagrada Torá”. O livro contém pouca informação sobre sua produção além de uma nota ao final que indica sua origem copta. Padrões cruciformes emoldurados aparecem no topo da primeira folha e compõem as únicas ilustrações da obra. Há cabeçalhos de capítulos e versos em vermelho, além de palavras-chave e diretrizes ocasionais para a recitação durante jejuns e banquetes. Na vigésima quinta folha do Gênesis, a ...
Cartas, ensinamentos pedagógicos e citações de Santo Antão do Egito
Este manuscrito é aberto com as 20 cartas “aos filhos que seguiram o caminho gentil [de Antão]… e oremos para nos livrarmos do exemplo de Satã”. As cartas são, em sua maioria, curtas, com algumas não chegando a exceder cinco fólios. De acordo com uma nota introdutória, elas são endereçadas tanto a homens quanto a mulheres. Esta obra foi escrita em uma caligrafia carregada, mas relaxada. Cada carta ou seção significativa está destacada em vermelho. Não há glosas marginais contemporâneas, mas comentários e correções a lápis (alguns em inglês) foram ...
Livros históricos do Antigo Testamento
Este manuscrito bíblico contém partes dos livros históricos de Josué, Juízes, Samuel e Reis, do Antigo Testamento. O volume está incompleto tanto no início quanto no fim. O escriba, cujo nome pode ter constado no colofão ausente, é desconhecido. A cópia foi feita em 1748 (Josué) e 1749 (Reis II). Há palavras-chave, mas as páginas não são numeradas. Os capítulos estão marcados de maneira inconsistente. A obra foi escrita com cuidado, mas parece ter sido pouco usada; o que é indicado pela ausência de manchas nas laterais, observada em alguns ...
Evangelho de São Marcos
Esta cópia manuscrita do Evangelho de São Marcos pode ser datada do século XVIII. O texto é copiado claramente e está contido em uma moldura de linha dupla em vermelho. Os fólios são numerados com números coptas. O manuscrito conta com várias notas marginais e referências ao Antigo Testamento em árabe, com números coptas empregados em citações de capítulos e versos. A marginália pode ter sido adicionada por Wadi’ Muftah, cujo nome aparece nas guardas frontais. O texto está completo e em excelente condição. A encadernação é de couro marrom ...
Evangelho de São Lucas
Este manuscrito do Evangelho de São Lucas pode ser datado do século XVIII. O texto está escrito de maneira clara e está contido em uma moldura de linha dupla em vermelho. Os fólios são numerados com números coptas. O manuscrito conta com várias notas marginais e referências ao Antigo Testamento em árabe, com números coptas empregados em citações de capítulos e versos. A marginália pode ter sido adicionada por Wadi’ Muftah, cujo nome aparece nas guardas frontais. O texto está completo e em excelente condição, embora a última página esteja ...
Evangelho de São João
Este manuscrito em árabe do Evangelho de São João data do século XVIII. O texto está escrito de maneira clara e está contido em uma moldura de linha dupla em vermelho. Os fólios são numerados com números coptas. O manuscrito conta com várias notas marginais e referências ao Antigo Testamento em árabe, com números coptas empregados em citações de capítulos e versos. A marginália pode ter sido adicionada por Wadi’ Muftah, cujo nome aparece nas guardas frontais. O texto está completo e em excelente condição, embora a última página esteja ...
A história das províncias romanas do Oriente Próximo
Este manuscrito árabe é uma história das províncias romanas do Oriente Próximo, referindo-se especialmente ao Rei Herodes, o Grande, e à dinastia que ele fundou. Faltam várias páginas no início e no final do manuscrito. A parte restante contém a história da Palestina romana desde o início do século I a.C. até a destruição do templo pelo imperador romano Tito, em 70 d.C. O autor, título e data da cópia são desconhecidos. A obra foi cautelosamente identificada como sendo do século XVII. O texto não possui adornos, com ...