Filtrar Resultados:

Lugar

Período

Tópico

Outras Palavras-Chave

Tipo de Item

Idioma

Instituição

26 resultados
Resumo da petição dos trabalhadores ferroviários de origem húngara e da proteção das minorias na Tchecoslováquia
Após a Primeira Guerra Mundial, os Estados da Europa central e oriental foram forçados pelos Aliados vitoriosos e por potências associadas a assinar acordos que garantiam a igualdade religiosa, social e política das populações minoritárias. Os Estados abrangidos eram Áustria, Bulgária, Tchecoslováquia, Grécia, Hungria, Polônia, Romênia e Iugoslávia. Grupos ou indivíduos que acreditavam ter sido discriminados por razões étnicas ou linguísticas poderiam realizar uma petição na Liga das Nações pela reparação do Conselho. A Seção de Minorias dentro do Secretariado da Liga foi responsável por avaliar as petições que chegavam ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
Petição dos trabalhadores ferroviários de origem húngara, rascunho de resposta, argumentos legais
Após a Primeira Guerra Mundial, os Estados da Europa central e oriental foram forçados pelos Aliados vitoriosos e por potências associadas a assinar acordos que garantiam a igualdade religiosa, social e política das populações minoritárias. Os Estados abrangidos eram Áustria, Bulgária, Tchecoslováquia, Grécia, Hungria, Polônia, Romênia e Iugoslávia. Grupos ou indivíduos que acreditavam ter sido discriminados por razões étnicas ou linguísticas poderiam realizar uma petição na Liga das Nações pela reparação do Conselho. A Seção de Minorias dentro do Secretariado da Liga foi responsável por avaliar as petições que chegavam ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
Béla Bartók
O compositor, pianista e etnomusicólogo Béla Bartók (1881 a 1945) nasceu em Nagyszentmiklós, Hungria (atual Sânnicolau Mare, Romênia). Ele estudou música em Pressburg (atual Bratislava, Eslováquia) e na Academia de Música de Budapeste. Em 1904, começou a colecionar canções folclóricas, que registrou e classificou. Entre 1907 e 1934, foi professor de piano na Academia de Budapeste. Suas composições incluem uma ópera, dois balés, música orquestral, música de câmara e arranjos de canções folclóricas. Esta fotografia de Bartók pertence aos arquivos da Liga das Nações. Em 1931, Bartók foi convidado a ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
O Reino da Sérvia, outrora chamado Rascia
A nota em italiano na cartela do canto inferior esquerdo do mapa afirma que ele foi “descrito com base nos mapas mais precisos e com a orientação das notícias mais recentes de Giacomo Cantelli da Vignola, súdito e geógrafo do Sereníssimo Mestre, o Duque de Modena, e publicado por Giovanni Giacomo de Rossi em sua gráfica na [Via della] Pace com a autorização do Papa. Ano 1689”. Giacomo Cantelli da Vignola (1643 a 1695) foi um geógrafo e cartógrafo italiano que, em 1685, tornou-se geógrafo da corte de Francisco II ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional e Universitária St.Kliment Ohridski - Skopje
Turquia europeia e parte da Turquia asiática, divididas em grandes províncias e governanças
Este mapa francês de meados do século XVIII mostra a Península dos Balcãs, a maior parte da Anatólia (hoje, Turquia) e as ilhas mediterrâneas de Chipre e Creta. O mapa carrega a inscrição “Sr. Janvier” (“Le Sieur Janvier”), designação que se refere a um cartógrafo que trabalhou em Paris entre 1746 e 1776, cujo nome é Jean ou Robert Janvier. O mapa oferece uma vista impressionante dos territórios europeus do Império Otomano. Embora já não mais estivesse no ápice de seu poder, o império ainda controlava Albânia, Bósnia, Bulgária, Grécia ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional e Universitária St.Kliment Ohridski - Skopje
Mapa geral da Turquia europeia, da Grécia e das Ilhas Jônicas
Adrien-Hubert Brué (1786 a 1832) foi um geógrafo e cartógrafo francês que, ainda jovem, acompanhou o explorador Nicolas Baudin em sua viagem de 1800 a 1803 até a Nova Holanda (Austrália). Brué voltou à França, tornando-se um importante geógrafo associado ao Institut Géographique de Paris e geógrafo do rei. Seu Grand atlas universel (Grande atlas universal) foi publicado em 1816 e republicado em edições revisadas e atualizadas em 1825, 1830 e 1838. Mostra-se aqui o mapa de Brué do Império Otomano na Europa, Grécia e Ilhas Jônicas. Os territórios otomanos ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional e Universitária St.Kliment Ohridski - Skopje
Mapa do Oriente Médio e do Oriente Próximo
Mostra-se aqui um grande mapa dobrável produzido pelo Estado-Maior do Exército Alemão durante a Segunda Guerra Mundial. Notas no mapa indicam que este deveria ser usado unicamente pelo exército e que sua reprodução era proibida. Um dos lados é um grande mapa da região que vai da Península Balcânica à porção leste do Irã. São exibidas vilas e cidades por tamanho da população, fronteiras internacionais, fronteiras das repúblicas e províncias da União Soviética, estradas principais e secundárias, estradas em construção, oleodutos, passagens entre montanhas, alturas em metros e massas de ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Memórias e Viagens de Maurício Augusto Conde de Benyowsky: Compostas de Suas Operações Militares na Polônia, Seu Exílio em Kamchatka, Sua Fuga e Viagem a Partir Dessa Península através do Norte do Oceano Pacífico, Atingindo o Japão e Formosa, até Cantão, na China, com um Relato da Colonização Francesa Ele Foi Nomeado para se Estabelecer na Ilha de Madagascar
Maurice Benyowsky (1741 ou 1746-1786) nasceu perto de Trnava na atual Eslováquia, na época parte do Império Austro-Húngaro. Após servir no exército austríaco, ele se juntou ao movimento nacionalista polonês que lutava pela libertação do controle russo. Ele foi preso e se exílou em Kamchatka, no Extremo Oriente russo. Escapou do cativeiro e fez uma expedição para explorar Kamchatka e o Pacífico Norte. Em 1772, ele partiu para a França, onde obteve permissão do rei Luís XV para estabelecer entrepostos comerciais em Madagascar. Em Paris, tornou-se um grande amigo de ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Álbum de uma Viagem através do Sul da Rússia e da Crimeia, Próximo à da Hungria, Wallachia, e Moldávia
Esta obra de quatro volumes documenta a expedição feita em 1837 pelo industrial e filantropo russo Anatolii Demidov (1812-70) através do sudoeste da Europa e da parte sul do Império Russo. Demidov foi acompanhado por uma equipe de cientistas, engenheiros e artistas franceses. A expedição reuniu uma riqueza de informações sobre a geografia, história, arqueologia, e povos e culturas da região ainda amplamente descohecida do resto do mundo. Denis Auguste Marie Raffet (1804-60), artista contratado pela expedição, produziu 64 chapas litográficas para os volumes, juntamente com muitos esboços e ilustrações ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Ponte Franz Joseph, Olhando Em Direção à Ponte, Budapeste, Hungria, Austro-Húngaro
Esta impressão fotocrômica, de cerca de 1900, é de "Vistas do Império Austro-Húngaro", do catálogo da Detroit Publishing Company. Mostra a ponte Franz Josef, de 330 metros de comprimento, que foi construída em 1894-96 como a quarta ponte a atravessar o Rio Danúbio, na cidade de Budapeste, capital da Hungria. A ponte é conhecida hoje como a Ponte Szabadság (Liberdade). Uma quinta ponte, a Ponte Erzsébet (Elizabeth), foi construída em 1897-1903. A Detroit Photographic Company foi fundada como empresa de publicação fotográfica no final da década de 1890, pelo empresário ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Rua Ring, Budaspeste, Hungria, Austro-Hungria
Esta impressão fotocrômica é de "Imagens do Império Austro-Húngaro," uma seleção de fotografias de locais turísticos na Europa Central e Oriental no final do século XIX (anteriormente conhecido como Império Austro-Húngaro), no catálogo da Detroit Publishing Company. Retrata um seção de Budapeste que, desde 1920, é chamada de Lujza Blaha Square, em homenagem a uma atriz popular. A parte posterior do velho Teatro Nacional, que foi demolido em 1965 para abrir caminho para a construção de uma estação de metrô e um túnel, pode ser vista na extrema esquerda.
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Ilha Margarida, Budapeste, Hungria, Austro-Hungria
Esta impressão fotocrômica, do final do século XIX, é de "Vistas do Império Austro-Húngaro", no catálogo da Detroit Publishing Company. Ela retrata um elegante edifício na Ilha Margarida (Margitsziget, em húngaro), uma ilha longa de 2,5 quilômetros, no Rio Danúbio, em Budapeste central. De acôrdo com Áustria, Incluindo Hungria, Transilvânia, Dalmácia e Bósnia (1900), de Baedeker, a ilha era "de propriedade do Arqueduque José, que a converteu, desenbolsando alguns milhões de florins, em um parque deveras encantador." A Ilha Margarida recebeu esse nome em homenagem à Santa Margarida (1242-70 ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Viagens na África do Sul nos Anos de 1849 a 1857
László Magyar (1814-64) foi um explorador húngaro, que viveu 17 anos em Angola e que deu importantes contribuições para o estudo da geografia e da etnografia da África Equatorial. Ele era formado como oficial de marinha e serviu nas forças navais da Áustria e da Argentina. Em 1846, ele realizou sua primeira expedição para a África, uma viagem até o rio Congo. Posteriormente, Magyar  se casou com a filha do rei de Bihé e usou seus laços de família para ganhar acesso às regiões do interior do continente. Acompanhado pela ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Viagens de László Magyar na África Meridional Entre 1849 e 1857
László Magyar (1814-64) foi um explorador húngaro, que viveu 17 anos em Angola e que deu importantes contribuições para o estudo da geografia e da etnografia da África Equatorial. Ele era formado como oficial de marinha e serviu nas forças navais da Áustria e da Argentina. Em 1846, ele realizou sua primeira expedição para a África, uma viagem até o rio Congo. Posteriormente, Magyar  se casou com a filha do rei de Bihé e usou seus laços de família para ganhar acesso às regiões do interior do continente. Acompanhado pela ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Menino dirigindo uma carroça cheia de cestas, Hungria
Esta fotografia de uma cena nas proximidades de Budapeste, Hungria, é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Pessoas, inclusive crianças, na feira, Hungria
Esta fotografia de uma cena de uma feira na Hungria é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Homem no campo com feixes de trigo, Hungria
Esta fotografia de uma cena agrícola na Hungria é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em vidro e ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Pessoas trabalhando em vinhedos, Hungria
Esta fotografia de uma cena agrícola na Hungria é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em vidro e ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Três Homens no campo com punhados de grãos, Hungria
Esta fotografia, tirada na Hungria em 1923, é da Coleção de Frank e Frances Carpenter, na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a geografia e a antropologia cultural nos Estados Unidos no início do século XX . Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16,800 fotografias e 7,000 negativos em vidro e filme. Na época ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Áustria-Hungria
O Império Austro-Húngaro (1867-1918) foi um império multi-étnico, multilíngue, governado por uma dupla monarquia que implementou as leis de Habsburgo ao longo de todo o segundo maior território soberano da Europa. Embora considerado uma Grande Potência no conjunto das nações europeias, o império dividiu-se internamente por conflitos mortais entre suas minorias nacionais e acabou por desestruturar-se sob as tensões da Primeira Guerra Mundial. Este mapa de Rand McNally de 1906 mostra o império na década anterior à sua dissolução. William Rand fundou a empresa que se tornou a Rand McNally ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Um Livro Sobre a Natureza das Coisas. Questões Naturais em Sete Livros
Sob a influência do humanismo italiano e de seu tutor e colecionador de livros, János Vitez, o Arcebispo de Esztergon, Matias Corvinus da Hungria (1443-1490) desenvolveu uma paixão por livros e pela aprendizagem. Eleito rei da Hungria em 1458, aos 14 anos de idade, Mathias conquistou grande sucesso por suas batalhas contra os turcos otomanos e por seu patrocínio à aprendizagem e à ciência. Ele criou a Bibliotheca Corviniana, na época considerada como uma das melhores bibliotecas da Europa. Após sua morte, e especialmente após a conquista de Buda pelos ...
Fornecido por
Biblioteca Estatal da Baviera