8 resultados
Mapa da Baía de Benguela e do Rio Cantonbelle
Este mapa da Baía de Benguela, na costa da atual Angola, é do cartógrafo francês Jacques-Nicolas Bellin (1703-72). Formado como hidrógrafo, Bellin estava lotado no escritório da marinha francesa e se especializou na produção de mapas marítimos mostrando as regiões costeiras. Em 1764, ele publicou Le Petit Atlas Maritime (Pequeno Atlas Marítimo), uma obra em cinco volumes contendo 581 mapas. Os mapas de Bellin eram elaborados na tradição de Sanson e de L'Isle, e priorizavam a precisão científica sobre a beleza artística por si própria.
Fornecido por
Biblioteca Nacional do Brasil
Instruções e Diário de Viagem que o Governador Francisco José de Lacerda e Almeida Escreveu sobre Sua Viagem para o Centro da África, Indo do Rio do Sena, no Ano de 1798
Este diário escrito a mão pelo explorador, geógrafo e matemático Brasileiro Francisco José de Lacerda e Almeida (1750-98) descreve a jornada de Almeida no interior do sul da África em 1798. Almeida nasceu no Brasil, estudou na Universidade de Coimbra em Portugal, e ascendeu para a posição de astrônomo real. Em 1780, retornou ao Brasil como parte de uma comissão criada para definir as fronteiras entre os territórios Espanhol e Português na América do Sul sob o recém celebrado Tratado de São Ildefonso (1777). Ele viveu dez anos no Brasil ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional do Brasil
Explorações na África, Pelo Dr. David Livingstone, e Outros, Fornecendo um Relato Completo da Expedição de Pesquisa de Stanley-Livingstone, sob o Patrocínio do New York Herald, conforme Fornecido pelo Dr. Livingstone e o Sr. Stanley
David Livingstone (1813-73), foi um missionário e médico escocês que explorou uma grande parte do interior da África. Numa incrível jornada em 1853-56, ele tornou-se o primeiro europeu a atravessar o continente africano. Começando no rio Zambeze, ele viajou do norte para o oeste através de Angola até atingir o Atlântico, em Luanda. Na sua viagem de volta, ele acompanhou o Zambezi até sua foz, no Oceano Índico, atualmente Moçambique. A expedição mais famosa de Livingstone foi em 1866-73, quando explorou a África Central na tentativa de encontrar a nascente ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Os Últimos Diários de David Livingstone, na África Central. De Mil Oitocentos e Sessenta e Cinco à sua Morte. Seguido pela Narrativa de seus Últimos Momentos e Sofrimentos, Obtida de seus Fiéis Servos, Chuma e Susi, por Horace Waller, F.R.G.S., Reitor de Twywell, Northhampton
David Livingstone (1813-73) foi um missionário e médico escocês que explorou uma grande parte do interior da África. A expedição mais famosa de Livingstone foi em 1866-73, quando atravessou grande parte da África Central na tentativa de encontrar a cabeceira do rio Nilo. Este livro contém os diários que Livingstone manteve nesta expedição, desde sua primeira entrada, em 28 de janeiro de 1866, quando chegou em Zanzibar (na atual Tanzânia), à sua última, em 27 de abril de 1873, quatro dias antes de morrer de malária e disenteria em uma ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Viagens na África do Sul nos Anos de 1849 a 1857
László Magyar (1814-64) foi um explorador húngaro, que viveu 17 anos em Angola e que deu importantes contribuições para o estudo da geografia e da etnografia da África Equatorial. Ele era formado como oficial de marinha e serviu nas forças navais da Áustria e da Argentina. Em 1846, ele realizou sua primeira expedição para a África, uma viagem até o rio Congo. Posteriormente, Magyar  se casou com a filha do rei de Bihé e usou seus laços de família para ganhar acesso às regiões do interior do continente. Acompanhado pela ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Viagens de László Magyar na África Meridional Entre 1849 e 1857
László Magyar (1814-64) foi um explorador húngaro, que viveu 17 anos em Angola e que deu importantes contribuições para o estudo da geografia e da etnografia da África Equatorial. Ele era formado como oficial de marinha e serviu nas forças navais da Áustria e da Argentina. Em 1846, ele realizou sua primeira expedição para a África, uma viagem até o rio Congo. Posteriormente, Magyar  se casou com a filha do rei de Bihé e usou seus laços de família para ganhar acesso às regiões do interior do continente. Acompanhado pela ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Esboço da África Equatorial: Contendo as Mais Recentes Informações Coletadas por Agentes da Sociedade Internacional do Congo
A Association Internationale du Congo (Associação Internacional do Congo), foi uma organização fundada pelo rei Leopoldo II da Bélgica para lançar as bases da criação de uma colônia central africana. Entre 1879 e 1884, Leopoldo contratou o explorador Henry M. Stanley para adquirir dos chefes locais, através de tratados que não entendiam ou que eram coagidos a assinar, grandes extensões de terras ao longo do rio Congo e seus afluentes. A associação também fundou postos ao longo do rio. Num congresso internacional em Berlim, que se reuniu em 15 de ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Descrição da Entrada do Reino de Angola
Este mapa manuscrito do século XVII é uma representação primitiva do porto e da cidade de Luanda, na costa de Angola. Fundada pelos portugueses em 1575, Luanda tornou-se o centro administrativo do governo português em Angola em 1627, um ano após a elaboração deste mapa. O porto de Luanda era também o centro do tráfico angolano de escravos, controlado pelo Império Português, e que se estima ter fornecido cerca de um quarto de todos os escravos africanos enviados para as Américas.
Fornecido por
Biblioteca Nacional do Brasil