Filtrar Resultados:

Lugar

Período

Tópico

Outras Palavras-Chave

Tipo de Item

Idioma

Instituição

31 resultados
Brochura dos dois navios da White Star Line: "Olympic" e "Titanic"
Essa brochura em dinamarquês, publicada em Copenhague em 1911 ou 1912, apresenta dois navios da empresa inglesa White Star Line, o Olympic e o Titanic. Inclusos estão fatos sobre a linha e sua frota, informações sobre passagens, horários e classes de serviço e ilustrações das salas de jantar, bibliotecas, cabines e convés. A brochura lista ainda as comodidades disponíveis a passageiros da segunda e terceira classe e apresenta os cardápios para café da manhã, almoço e jantar oferecidos em cada um dos sete dias de viagem pelo Atlântico. A publicação ...
Fornecido por
Biblioteca Real da Dinamarca
Solicitação de passaporte, Comitê Nansen em Berlim
O Comitê Internacional Nansen para os Refugiados foi autorizado pela Liga das Nações no outono de 1930 e iniciou suas operações no dia 1º de abril de 1931. Ele foi o sucessor da primeira agência internacional a lidar com refugiados, a Alta Comissão para os Refugiados, criada em junho de 1921 pela Liga das Nações sob a direção do explorador e estadista norueguês Fridtjof Nansen (1861 a 1930). O Secretariado da Liga assumiu a responsabilidade por refugiados internacionais e pessoas apátridas, encarregando o comitê Nansen de desempenhar suas responsabilidades nesta ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
Passaporte Nansen com selos
O passaporte Nansen era um certificado emitido pelo Comitê Internacional Nansen para os Refugiados como um substituto internacional de um passaporte comum, que permitia que pessoas apátridas ou privadas de seus passaportes nacionais entrassem e transitassem em outros países. O Comitê Nansen foi o sucessor da primeira agência internacional a lidar com refugiados, a Alta Comissão para Refugiados, criada em junho de 1921 pela Liga das Nações sob a direção do explorador e estadista norueguês Fridtjof Nansen (1861 a 1930). O Secretariado da Liga assumiu a responsabilidade por refugiados internacionais ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
Convenção sobre o Estatuto Internacional dos Refugiados
Este documento é o texto original datilografado da Convenção sobre o Estatuto Internacional dos Refugiados, que foi concluído em 28 de outubro de 1933, por cinco países — Bélgica, Bulgária, Egito, França e Noruega — e a que, subsequentemente, vários outros países aderiram. A convenção foi a mais ampla tentativa, da parte da Liga das Nações, de definir as responsabilidades dos Estados em relação aos refugiados. Ela surgiu a partir de quatro acordos multilaterais da Liga que foram adotados entre 1922 e 1928 em resposta a problemas de refugiados causados pela Primeira ...
Fornecido por
Biblioteca do Escritório das Nações Unidas em Genebra
Sibéria e Migrantes
Noth século, o governo da Rússia incentivada oscamponeses a se deslocarem a partir da parte ocidental do império para terras incultas da Sibéria. Este livro foi concebido como guia para os camponeses interessados em reassentar. Continha informações sobre o clima e os solos da Sibéria, as condições e as oportunidades econômicas, as despesas essenciais de deslocação e a construção num novo local, bem como recomendações de comportamento para os migrantes em trânsito. O livro foi publicado em Khar'kov (Kharkiv, na Ucrânia) pela Khar'kov Sociedade de Expansão da Alfabetização ...
Fornecido por
Biblioteca Estatal da Rússia
Imigrantes sendo transportados em carroça puxada por cavalo, Buenos Aires, Argentina
Esta fotografia de imigrantes recém-chegados em Buenos Aires, Argentina, é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em vidro ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Ônibus cheio de imigrantes, Buenos Aires, Argentina
Esta fotografia de imigrantes em Buenos Aires, Argentina, é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em vidro e ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
A Colonização da Indochina
La colonisation de l’Indo-Chine: L’Expérience anglaise (A colonização da Indochina: a experiência inglesa) é um estudo de caso de 1892 sobre a experiência colonial britânica na Ásia e suas lições para a França na administração da Indochina Francesa (atual Camboja, Laos e Vietnã). O autor, ensaísta francês influente e teórico colonial, Joseph Chailley-Bert (1854-1928), foi um ardente defensor da reforma das práticas de colonização da França e das estratégias de governo, que ele argumentava que eram deficientes tanto na concepção e execução, e pela necessidade de se recorrer ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Casa de imigrantes, Argentina
Esta fotografia de uma casa de imigrantes na Argentina é parte da Coleção de Frank e Frances Carpenter na Biblioteca do Congresso. Frank G. Carpenter (1855-1924) foi um escritor americano de livros sobre viagens e geografia mundial cujas obras ajudaram a popularizar a antropologia cultural e a geografia dos Estados Unidos nos primeiros anos do século XX. Composta de fotografias tiradas e reunidas por Carpenter e sua filha Frances (1890-1972) para ilustrar seus escritos, a coleção inclui um número estimado em 16.800 fotografias e 7.000 negativos em vidro ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
África Oriental Alemã como uma Região de Colonização para os Europeus, Levando em Consideração a África Oriental Britânica e a Niassalândia
Quando a Alemanha Imperial iniciou a criação de um império ultramarino no final do século XIX, muitos alemães influentes procuravam imitar o exemplo da Grã-Bretanha, que havia construído seu grande e poderoso império, em parte, pela promoção de assentamentos de imigrantes das Ilhas Britânicas nos territórios controlados pela Brã-Bretanha em outras partes do mundo, incluindo a África Oriental e a África do Sul. A Alemanha declarou um protetorado da África Oriental, em 1885, e estabeleceu a colônia da África Oriental Alemã (atual Tanzânia, Ruanda e Burundi), em 1891. Em 1908 ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Declaração de Intenção de Albert Einstein
Em 1936, o físico Albert Einstein de origem Alemâ apresentou esta declaração de intenção de se tornar num cidadão Americano. Após a ascensão dos Nazistas na Alemanha em 1933 e com o início da perseguição dos Judeus Alemães, Einstein renunciou a sua cidadania Alemã e emigrou para os Estados Unidos assumindo o cargo de professor de Física Teórica em Princeton. Tendo como base esta declaração, o homem que primeiro propôs a teoria da relatividade em 1905 se tornou cidadão dos Estados Unidos em 1940.
Fornecido por
Administração de Registros e Arquivos Nacionais
Manual de Imigração para Colonos Escandinavos no Canadá, com Descrições Completas de Manitoba, os Territórios do Noroeste e a Columbia Britânica
Este manual de imigração foi publicado pelo Ministério do Interior canadense em 1889 com o objetivo expresso de recrutar colonos da Suécia. Inclui uma introdução ao Canadá e à sociedade canadense, um manual de procedimentos de imigração e uma descrição topográfica de Manitoba, dos Territórios do Noroeste e da Columbia Britânica. Especial atenção é dedicada aos assentamentos escandinavos já existentes.
Fornecido por
Biblioteca Nacional da Suécia
Chegada dos Migrantes [isto é, Imigrantes], Ilha Ellis
Este filme de Gottfried Wilhelm "Billy" Bitzer, da American Mutoscope e Biograph Company, encontra-se entre os primeiros filmes deste cineasta bem sucedido. É uma reminiscência dos filmes contemporâneos sobre a Ellis Island, produzidos pela Edison Manufacturing Company. Retrata cenas da Estação da Imigração e um cais próximo de Ellis Island. Parece mostrar, a princípio, um grupo de imigrantes enfileirados para embarcarem em um navio que deixa a ilha e, em seguida, outro grupo chegando à ilha e sendo encaminhado, por um oficial uniformizado, do cais até a estação. A Edison ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso
Termo de Acordo
O Termo de Acordo e Carta Régia de Incorporação da empresa South Australian Company é um documento chave na história do estado de South Australia: destaca as diferenças entre a maneira pela qual South Australia foi fundado e povoado e a fundação de outras colônias australianas como colônias penais. Também registra a expansão econômica britânica em seu auge e ilustra as interconexões entre os interesses comerciais britãnicos, o Colonial Office, e ativistas sociais e evangélicos. Em 1834, o Parlamento britânico aprovou a Lei South Australia, que autorizava o governo a ...
Fornecido por
Biblioteca Estatal da Austrália do Sul
Refugiado Cubano Se Emociona Após sua Chegada em Key West, Flórida, vindo de Mariel, Cuba, Durante o Exôdo de Mariel
O Êxodo de Mariel foi uma saída em massa de cubanos do porto de Mariel, na ilha de Cuba, para a Flórida, entre abril e novembro de 1980. A partida de barco foi autorizada pelo governo de Fidel Castro, após vários anos de melhores relações entre Cuba e os Estados Unidos sob a presidência de Jimmy Carter, um período que coincidiu com uma grave recessão na economia cubana. É possível que aproximadamente 125.000 cubanos fizeram a viagem para a Flórida em embarcações superlotadas de tamanhos e condições de navegabilidade ...
Fornecido por
Biblioteca e Arquivos dos Estado da Flórida
Protesto dos Administradores da Companhia das Índias Ocidentas Holandesa aos seus Senhores, o Estado Geral, sobre Vários Exemplos de Tirania e Violência por parte dos Inglêses em Nova Holanda
Na década de 1660, colonos das colônias inglesas de Connecticut e Massachusetts, a leste e nordeste, e Maryland e Virginia, ao sul e sudeste, progressivamente transgrediam a colônia holandesa de Nova Holanda, que estava localizada em partes do que é hoje Nova York, Nova Jersey, Delaware e Connecticut. Este protesto, ou reclamação, publicado em Schiedam em 1663, foi um apelo dos diretores da Companhia das Índias Ocidentais aos Estados Gerais, o órgão governamental das Províncias Unidas dos Países Baixos, pleiteando maior proteção contra as incursões dos inglêses. A reclamação foi ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional dos Países Baixos
Plano Breve e Conciso destinado a ser um Acôrdo Mútuo para Alguns Colonizadores Dispostos a ir para o Rio do Sul em Nova Holanda.
Pieter Cornelis Plockhoy foi um menonita e reformador social holandês, nascido na cidade de Zierikzee por volta de 1625. Mudou-se para Amsterdam em 1648, onde ficou bem conhecido nos círculos intelectuais da cidade. Em 1658, ele foi a Londres, onde tentou em vão obter o apoio de Oliver Cromwell, o antimonarquista Lorde Protetor da Comunidade, para o estabelecimento de utópicas colônias na Inglaterra. Plockhoy retornou aos Países Baixos em 1661 e em 1662 fechou um contrato com os magistrados de Amsterdam para o estabelecimento de uma colônia no Rio (Delaware ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional dos Países Baixos
Conto sobre Nova Holanda [...] e Possibilidades Especiais para Povoar
Este panfleto, publicado anonimamente em Amsterdam, em outubro de 1662, refere-se ao estabelecimento de uma colônia no Rio do Sul (como os holandêses chamavam o Rio Delaware), em Nova Holanda, pelo holandês menonita e reformador social Pieter Cornelis Plockhoy. O panfleto consistia-se de propostas enviadas aos magistrados da cidade de Amsterdam a fim de garantir seu apoio para a colônia, a qual Plockhoy pretendia que fosse para famílias pobres e necessitadas, e baseada em princípios reformistas. O panfleto pretendia, parcialmente, assegurar os investidores de que a colônia seria, também, um ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional dos Países Baixos
Condições tais como Criadas por seus Senhores Burgomestres de Amsterdam
Este panfleto, publicado em Amsterdam em 1656, contém informação sobre como receber o título de senhor latifundiário oferecido pela Companhia das Índias Ocidentais aos colonizadores na colônia holandesa de Nova Holanda e, em particular, sobre o plano de ação da cidade de Amsterdam com relação à colonização além-mar sob os termos do acôrdo entre a cidade e a Companhia das Índias Ocidentais. Com a intenção de ajudar a povoar a colônia, os títulos de senhor latifundiário eram grandes concessões de terras cedidas aos investidores holandeses que concordassem em estabelecer uma ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional dos Países Baixos
Descrição de Nova Holanda (como é Hoje)
Este livro, publicado em Amsterdam em 1655, é uma das mais importantes fontes de estudo da colônia holandesa de Nova Holanda. Adriaen van der Donck estudou advocacia na Universidade de Leiden. Em 1641-43, ele trabalhou no grande latifúndio (propriedade) de Rensselaerswijck, próximo da atual Albany, Nova York. Ele, então, requereu e recebeu, da Companhia das Índias Ocidentais, sua própria concessão de terra, uma vasta extensão localizada um pouco ao norte de Manhattan, no atual Condado de Westchester, Nova York. (A cidade de Yonkers tem seu nome derivado de Yonkheer [jovem ...
Fornecido por
Biblioteca Nacional dos Países Baixos
Uma história filosófica e política dos assentamentos e do comércio dos europeus nas Índias Orientais e Ocidentais
Uma história filosófica e política dos assentamentos e do comércio dos europeus nas Índias Orientais e Ocidentais é uma tradução em seis volumes, publicada em Londres, em 1798, da obra de dez volumes Histoire philosophique et politique des établissemens et du commerce des Européens dans les deux Indes de Guillaume-Thomas-François (1713–1796), também conhecido como Abade Raynal. Educado pelos jesuítas e ordenado padre, Raynal deixou o clero e se tornou um jornalista. Ele publicou a primeira edição de Histoire des deux Indes em 1770, tendo expandido-a nas edições de 1774 ...
Fornecido por
Biblioteca do Congresso