198 resultados em português
O povo ucraniano no passado e no presente
Este livro é o primeiro volume do que se tornaria uma enciclopédia em língua russa dividida em dois volumes sobre o povo ucraniano. Os autores dos artigos eram estudiosos ucranianos e russos de destaque. Entre estes, estão: S. Rudnitskii, que escreveu sobre a geografia da Ucrânia; O. Rusov, V. Ohrimovich e S. Tomashevskii, que escreveram sobre estatísticas populacionais; F. Vovk, cujo artigo tratava de características antropológicas e etnográficas específicas dos ucranianos; e O. Shakhmatov, que contribuiu com uma história da língua ucraniana. O livro inclui várias ilustrações. A Primeira Guerra ...
História da expedição sob o comando dos capitães Lewis e Clark: Para as nascentes do Missouri e, de lá, atravessando as Montanhas Rochosas e seguindo abaixo o rio Columbia até o Oceano Pacífico
Este relato da Expedição de Lewis e Clark, publicado em 1814, baseia-se em diários detalhados escritos pelos Capitães Meriwether Lewis e William Clark, os líderes da expedição. O livro começa com "A vida do Capitão Lewis", escrito por Thomas Jefferson, que reproduz instruções detalhadas de Jefferson para Lewis quanto aos objetivos da expedição. "O objeto de sua missão é explorar o rio Missouri, e assim, suas principais correntesl, pois, através de seu curso e comunicação com as águas do Oceano Pacífico, seja Columbia, Oregan [sic],  Colorado, ou qualquer outro rio ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
O Diário de Uganda, Volume I, Número 1, janeiro de 1934
A Sociedade Literária e Científica de Uganda foi estabelecida em 1923 em Entebbe, no Protetorado de Uganda. Sua principal atividade era a leitura de ensaios e a apresentação de palestras sobre tópicos relacionados a Uganda. Em 1933, a sociedade transferiu sua sede para Kampala e decidiu editar uma publicação regular, The Uganda Journal (Diário de Uganda). O objetivo declarado do jornal era "reunir e publicar informações que possam acrescentar ao nosso conhecimento de Uganda e registrar tudo o que possa vir a se perder ao longo do tempo". Eram publicadas ...
Exibir mais 4 edições
Miscelânea de Trevelyon, 1608
Thomas Trevilian ou Trevelyon,um artesão de Londres do qual pouco se conhece, criou sua Miscelânea em 1608 quando tinha em torno de 60 anos. O volumoso manuscrito de 290 fólios em face dupla contém textos e imagens que foram retiradas de livros, xilogravuras e gravuras de sua época. A primeira parte do manuscrito (folhas 3 a 36) consiste em informações históricas e práticas: uma linha de tempo; um calendário ilustrado; provérbios moralizadores; uma série de tabelas de cálculo e diagramas astronômicos; listas de famílias ligadas a Guilherme, o Conquistador ...
Notas topográficas sobre locais notáveis visitados por Sua Majestade Imperial nas vice-regências bielorrussas
Este livro, publicado em São Petersburgo em 1780 pela Academia Imperial Russa de Ciências, trata da história e das condições das terras bielorrussas orientais, visitadas pela Imperatriz Catarina (a Grande), em maio daquele ano. A obra inclui informações detalhadas sobre locais nos territórios de Polotsk e Mogil'ov (namestnichestva), incluindo a população e descrições de castelos, palácios, igrejas e monastérios. As descrições dos locais na Bielorrússia começam na página 38. O livro também contém informações sobre locais ao longo da rota de São Petersburgo até a Bielorrússia, como Krasnoye Selo ...
O levantamento geográfico geral novamente compilado
A obra original na qual esta compilação se baseou foi completada em 1239, conforme indicado em seus dois prefácios, um escrito por Lü Wu (1179 a 1255) e o outro, ao final, pelo autor Zhu Mu (falecido em 1255). Ele foi reimpresso em 1267 pelo filho de Zhu Mu, Zhu Zhu (jin shi 1256). A obra original tinha duas partes, a parte um com 43 juan e a parte dois com 7 juan, além de um suplemento de 20 juan e um apêndice de um juan. A edição reimpressa tem ...
Suplemento do dicionário geográfico da prefeitura de Wu
Wujun (Prefeitura de Wu) é um nome antigo usado durante as dinastias Qin e Han (221 a.C. e 220 a.C.) para a sede de Guiji (situada na atual Suzhou). As palavras tu jing no título denotam um tipo mais antigo de dicionário geográfico local, que apareceu pela primeira vez durante a dinastia Han Oriental (25 a 220 d.C.). Apenas após a dinastia Song do Sul estas obras foram substituídas por dicionários geográficos mais formais. Esta obra impressa é uma edição muito rara da dinastia Song. A obra ...
Novos registros sobre a viagem ao redor do mundo
Para celebrar o centésimo aniversário da assinatura da Declaração de Independência na Filadélfia, em 1876 os Estados Unidos realizaram uma exposição do Centenário na cidade. O Departamento de Relações Exteriores da corte do final do período Qing autorizou que a Administração fiscal e comercial para Países Ocidentais organizasse a exibição chinesa na exposição. Li Gui (1842 a 1903), secretário da Estância aduaneira, foi enviado para os Estados Unidos com uma delegação, a fim de auxiliar nas preparações. Em sua viagem, ele também visitou a Inglaterra, a França e outros países ...
Descrição dos reinos mais importantes do Ocidente
Esta obra, Xi fang yao ji, também chamada de Yu lan Xi fang yao ji (Descrição dos reinos mais importantes do Ocidente para a inspeção do imperador), foi escrita em conjunto por Li Leisi (nome chinês de Ludovico Buglio, 1606 a 1682), An Wensi (Gabriel de Magalhães, 1609 a 1677) e Nan Huairen (Ferdinand Verbiest, 1623 a 1688). Buglio era um matemático e teólogo jesuíta italiano. Ele chegou à China em 1640 e pregou em Sichuan, Fujian e Jiangxi. Ele e seu colega jesuíta Magalhães foram pressionados a servir o ...
Vistas do Grande Tibete
Estas notas escritas à mão acompanham uma coleção de 50 fotografias do Tibete central, adquiridas da Sociedade Geográfica Imperial Russa, em São Petersburgo, pela Sociedade Geográfica Americana em 2 de agosto de 1904. As fotografias desta coleção foram tiradas por dois lamas budistas mongóis, G.Ts. Tsybikov e Ovshe (O.M.) Norzunov, que visitaram o Tibete em 1900 e 1901. As notas foram escritas em russo para a Sociedade Geográfica Imperial Russa, por Tsybikov, Norzunov e outros mongóis familiarizados com o Tibete central. Alexander Grigoriev, membro correspondente da Sociedade Geográfica ...
Viagens na Arábia
Viagens na Arábia fornece uma visão geral, destinada ao público geral, dos viajantes europeus mais importantes que foram para a Arábia nos séculos XVIII e XIX. O livro foi compilado e escrito por Bayard Taylor (1825 a 1878), um poeta americano, tradutor e escritor de viagens, sendo publicado pela primeira vez em 1872. Aqui é mostrada a edição levemente revisada e atualizada, publicada em 1892. Depois dos breves capítulos introdutórios sobre a geografia da Arábia e sobre os viajantes antigos que foram para a Arábia, o livro dedica um ou ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Arábia: O berço do Islã
Samuel Zwemer (1867 a 1952) foi um missionário protestante americano que viveu nove anos em Bareine e se tornou um estudioso do mundo árabe, em especial, da Península Arábica. Publicado em Nova York em 1900, na Arábia: O berço do Islã contém capítulos detalhados sobre a geografia da Arábia, sobre as cidades sagradas de Meca e Medina, sobre o profeta Maomé e o nascimento do Islã, sobre o cenário político contemporâneo da Península Arábica, incluindo as rivalidades com os britânicos, turcos e outras potências, e sobre a linguagem e poesia ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Jornadas em zigue-zague no país do camelo: Arábia em imagens e histórias
Samuel Zwemer (1867 a 1952) foi um missionário americano que se tornou conhecido como o “Apóstolo do Islã” por seus incansáveis, e nem sempre bem sucedidos, esforços de evangelização nos países islâmicos. Ele frequentou o Hope College em Holanda, Michigan, e o Seminário Teológico de Nova Brunswick em Nova Jersey. Em 1889, ele e um colega de sala fundaram a Missão Arábica Americana, que mais tarde recebeu o patrocínio da Igreja Reformada, e no ano seguinte ele partiu para a Península Arábica. Em 1896, ele encontrou Amy Wilkes (falecida em ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
A terra de cabeça para baixo: Arábia ilustrada para crianças
Samuel Zwemer (1867 a 1952) foi um missionário americano que se tornou conhecido como o “Apóstolo do Islã” por seus incansáveis, e nem sempre bem sucedidos, esforços de evangelização nos países islâmicos. Ele frequentou o Hope College em Holanda, Michigan, e o Seminário Teológico de Nova Brunswick em Nova Jersey. Em 1889, ele e um colega de sala fundaram a Missão Arábica Americana, que mais tarde recebeu o patrocínio da Igreja Reformada. No ano seguinte, ele partiu para a Península Arábica. Em 1896, ele encontrou Amy Wilkes (falecida em 1937 ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Arábia: sua geografia, sua história e sua topografia
Josiah Conder (1789 a 1855) foi um editor e autor britânico que escreveu ou compilou 33 volumes de literatura de viagens sobre quase todas as regiões do mundo, incluindo o Oriente Médio. O próprio Conder nunca viajou para fora de seu país e compôs sua obra com base nos escritos dos primeiros estudiosos e exploradores. Como indicado no subtítulo, Conder organizou seu livro sobre a Arábia em seções. Ele começa descrevendo a topografia das diferentes regiões da Arábia e fenômenos climáticos como os ventos simum (veneno) que sopram no Deserto ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Vida no deserto, ou recordações da viagem pela Ásia e pela África
Vida no deserto, ou recordações da viagem pela Ásia e pela África é uma tradução para o inglês de uma obra originalmente publicada em 1860 na França com o título Les Mystères du Désert (Os mistérios do deserto). O autor, Louis Du Couret (1812 a 1867), era filho de um coronel do exército francês. Ele viajou para o Oriente Médio em 1836, onde serviu como oficial militar sob o comando de Muḥammad ʻAlī (1769 a 1849), paxá e uale (governador) do Egito, e lutou na Batalha de Nezib na Síria ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Aventuras entre os árabes no deserto, em tendas e em cidades: treze anos de vida missionária pioneira com os ismaelitas de Moab, Edom e Arábia
Archibald Forder foi um missionário americano, nascido em 1863, que trabalhou por 13 anos no Oriente Médio, principalmente em Al-Karak na Palestina, parte do Império Otomano naquela época. Aventuras entre os árabes é um relato de Forder sobre seu trabalho e viagens na região. O capítulo 12 contém uma visão geral resumida da Arábia, com breves descrições da geografia, principais cidades, estruturas governamentais, economia, população e idioma, religião, animais e meios de transporte. Vários capítulos recontam as fracassadas tentativas de Forder de entrar na Arábia para a realização do trabalho ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
A penetração na Arábia: um registro do desenvolvimento do conhecimento ocidental em relação à Península Arábica
David George Hogarth (1862 a 1927) foi um arqueólogo e estudioso britânico que, entre 1887 e 1907, trabalhou em escavações no Chipre, na Grécia e em vários países do Oriente Médio. Em 1904, ele publicou A penetração na Arábia, um trabalho que, conforme indica o subtítulo, foi uma tentativa de registrar em forma de crônica o crescimento do conhecimento ocidental sobre a Península Arábica, em vez de um relato pessoal sobre a viagem para a região. O livro possui duas seções. “Os pioneiros” analisa a geografia histórica da região desde ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Narrativa pessoal de um ano de jornada pela Arábia Central e Oriental (1862 a 1863)
William Gifford Palgrave (1826 a 1888) foi um famoso viajante inglês para a Arábia que inspirou uma geração de exploradores e missionários europeus. Ele se tornou fluente em árabe enquanto serviu como missionário jesuíta na Síria. Em 1862, ele realizou uma viagem de um ano pela Península Arábica com o objetivo declarado de estudar “as condições morais, políticas e intelectuais da vida na Arábia”. Também trabalhava como agente secreto para o imperador francês, Napoleão III (1808 a 1873). Palgrave se disfarçava como médico sírio e era acompanhado por seu assistente ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Anatólia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Anatólia é o Número 59 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Anatólia é a península direcionada a oeste, partindo da Ásia, entre o Mar ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Arábia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Arábia é o Número 61 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O capítulo I discute geografia física e política. O capítulo II aborda a história ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Armênia e Curdistão
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Armênia e Curdistão é o Número 62 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Armênia é definida no estudo como sendo constituída por seis vilayets ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
França e o Levante
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. França e o Levante é o Número 66 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O livro é majoritariamente uma pesquisa histórica sobre a influência militar ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Turquia na Ásia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Turquia na Ásia é o Número 58 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O livro oferece um breve levantamento da história do Império Otomano, de ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Golfo Pérsico
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Golfo Pérsico é o Número 76 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O capítulo I aborda a geografia física e política, dividindo o litoral do ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Mesopotâmia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Mesopotâmia é o Número 63 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O estudo descreve a Mespotoâmia como uma região definida de maneira imprecisa, consistindo em ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Síria e Palestina
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pela preparação de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Síria e Palestina é o Número 60 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais publicados após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Nesta época ainda parte do Império Otomano, a Síria era uma entidade ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Somalilândia Britânica e Socotra
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Somalilândia Britânica e Socotra é o Número 97 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Somalilândia Britânica (a parte noroeste da atual Somália) foi ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Do Indo ao Tigre
Henry Walter Bellew foi um cirurgião e oficial médico do Exército Indiano que, de 1871 a 1872, acompanhou o Major-General F. R. Pollock em uma missão política rumo ao Sistão, no sudoeste do Afeganistão. Realizada em nome do governo da Índia Britânica, a missão saiu de Multan (atual Paquistão) no dia 26 de dezembro de 1871 e chegou no Sistão no início de março. De lá, Pollock e Bellew viajaram rumo a Mashhad e Teerã. Bellew foi até Bagdá e retornou à Índia de barco a vapor, por Bombaim (atual ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Narrativa da Jornada Rumo ao Coração, nos anos de 1821 e 1822
James Baillie Fraser deixou a Escócia, seu país natal, e se mudou para a Índia em 1813. Em 1815, após um período breve e malsucedido trabalhando em negócios comerciais em Calcutá, ele se juntou ao irmão William Fraser em uma expedição em busca dos mananciais dos rios Yamuna e Ganges. Ele documentou a viagem no Diário de uma excursão por parte da cadeia nevada das Montanhas do Himālā, publicado em 1820. Um artista talentoso que produziu esboços e águas-tintas de diferentes partes da Índia, Fraser acompanhou o Dr. Andrew Jukes ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Povos fronteiriços da divisa afegã e além
Povos fronteiriços da divisa afegã e além é um livro de fotografias, com textos descritivos, de pessoas provenientes de mais de 20 tribos e grupos étnicos que vivem principalmente na região da fronteira noroeste da Índia Britânica (atual Paquistão) ou ao longo da fronteira do Afeganistão. Algumas das fotografias mostram pessoas ou cenas da Caxemira, do Tibete e do Turquestão russo. Essas fotografias retratam costumes, festivais e comemorações locais, assim como a vida econômica. A maioria foi tirada pelo Capitão L. B. Cane do Corpo Médico da Armada Real. O ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Esboço de Ohrid
Este desenho a lápis é um esboço feito em 1923 de um mapa turístico da cidade de Ohrid, na Antiga República Iugoslava da Macedônia. Ohrid, naquele tempo, fazia parte do recém-estabelecido Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos; até 1912 a cidade esteve sob domínio Otomano. Situada às margens do Lago Ohrid, a cidade é o local de um dos mais antigos assentamentos humanos na Europa, datando do período neolítico. Conhecida como Lychnidos durante a antiguidade grega, a cidade desenvolveu-se e tornou-se um importante centro da cultura eslava medieval no período ...
Sérvia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Sérvia é o Número 20 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Sérvia foi um poderoso reino medieval conquistado pelos turcos otomanos em 1459 ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Grécia com as Cíclades e Espórades
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Grécia com as Cíclades e Espórades é o Número 18 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O livro aborda a geografia política e física ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Turquia na Europa
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Turquia na Europa é o Número 16 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Em 1914, quando a guerra começou, o Império Otomano tinha perdido ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Holanda
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Holanda é o Número 25 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Holanda ou Reino dos Países Baixos, como era formalmente conhecida, manteve-se neutra ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Espanha
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Espanha é o Número 34 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Este estudo relativamente breve aborda a história política e condições sociais e políticas ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Finlândia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Finlândia é o Número 47 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O livro aborda a geografia política e física, história política, condições sociais e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Albânia
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Albânia é o Número 17 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Albânia foi conquistada pelos otomanos em meados do século XV e não ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Bélgica
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Bélgica é o Número 26 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. O livro aborda a geografia política e física, história política, condições sociais e ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Bulgária
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Bulgária é o Número 22 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. A Bulgária foi um poderoso reino medieval que ficou sob o controle dos ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso
Daomé
Em preparação para a esperada conferência de paz após a Primeira Guerra Mundial, na primavera de 1917, o Ministério das Relações Exteriores britânico criou um departamento especial responsável pelo planejamento de informações de base que seriam usadas pelos delegados britânicos durante a conferência. Daomé é o Número 105 em uma série de mais de 160 estudos produzidos por este departamento, a maioria dos quais foi publicada após a conclusão da Conferência de Paz de Paris, em 1919. Daomé (atual Benin) era um reino africano que surgiu provavelmente em meados do ...
Fornecido por Biblioteca do Congresso