Itens adicionados recentemente

Destaques

Códice Florentino

Historia general de las cosas de nueva España (História geral das coisas da Nova Espanha) é um trabalho enciclopédico sobre o povo e a cultura da região central do México compilado por Frei Bernardino de Sahagún (1499–1590), um missionário franciscano que chegou ao México em 1529, oito anos após o término da conquista espanhola por Hernan Cortés. Normalmente chamado de Códice Florentino, o manuscrito chegou às mãos dos Médici antes de 1588 e está agora na Biblioteca Medicea Laurenziana em Florença. Sahagún iniciou suas pesquisas sobre culturas nativas na década de 1540, usando uma metodologia que os estudiosos consideram ser precursora das técnicas de campo antropológicas modernas. Seus motivos eram predominantemente religiosos: ele acreditava que para converter os nativos ao cristianismo e erradicar sua devoção a falsos deuses, era necessário compreender esses deuses e a influência que eles tinham sobre o povo asteca. Sahagún repudiava grande parte da cultura nativa, mas também passou a admirar muitas qualidades dos astecas. Como escreveu no prólogo do Livro I do seu trabalho, os mexicanos "são considerados bárbaros e de muito pouco valor; entretanto, em matéria de cultura e refinamento, na verdade estão um passo à frente de outras nações que julgam-se muito evoluídas." Sahagún conquistou a ajuda de dois importantes grupos nativos: o grupo dos anciãos de várias vilas no centro do México (principales) e o grupo de estudantes nahua e ex-alunos do Colégio de Santa Cruz em Tlatelolco, onde Sahagún trabalhou durante grande parte de sua estada no México. Os principales respondiam questionários preparados por Sahagún sobre sua cultura e religião, e suas respostas eram registradas na sua própria forma de escrita pictórica. Os estudantes nahua interpretavam as imagens e ampliavam as respostas, transcrevendo foneticamente o nauatle, usando letras do alfabeto latino. Sahagún, então, revisava o texto em nauatle e acrescentava sua própria tradução para o espanhol. O processo todo demorou quase 30 anos e, finalmente, foi concluído em 1575-1577, quando Sahagún preparou uma cópia nova e completa do manuscrito. Ela foi então levada para a Espanha por Frei Rodrigo de Sequera, chefe do serviço de intendência dos franciscanos e um defensor do trabalho de Sahagún. Os 12 livros do códice foram originalmente encadernados em quatro volumes, mas, posteriormente, subdivididos em três. O trabalho foi organizado em duas colunas: à direita, o texto original em náuatle, e à esquerda a tradução de Sahagún para o espanhol. As 2.468 magníficas ilustrações, feitas pelos estudantes, estão, na maior parte, na coluna da esquerda, onde o texto é mais curto. As ilustrações combinam características sintáticas e simbólicas da antiga tradição nahua de pintura-escrita com as qualidades formais da pintura renascentista europeia.